Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Família de Marielle pretende se reunir na data do aniversário da vereadora

"Trinta e nove anos depois, será uma reunião que vamos fazer para lembrar a Marielle em vida", diz o pai

Por Danielly Fernandes - Atualizado em 14 jul 2018, 18h06 - Publicado em 14 jul 2018, 13h32

O aniversário de Marielle Franco era comemorado no dia 27 de julho com almoços em família. Mas, com o assassinato da vereadora e de seu motorista, há exatos quatro meses, sua trajetória foi interrompida. No entanto, a família pretende fazer o mesmo esse ano e usar a data para lembrar de Marielle, que completaria 39 anos.

“A irmã dela quer fazer homenagens, porque era uma data em que sempre nos reuníamos para comemorar a vida”, conta em entrevista ao portal R7, Antônio da Silva, pai de Marielle. “Trinta e nove anos depois, será uma reunião que vamos fazer para lembrar a Marielle em vida.”

No ano passado, Antônio disse que eles almoçaram juntos antes que a vereadora fizesse uma festa com amigos na Pedra do Sal, no Rio de Janeiro. “Ela gostava que as pessoas participassem da alegria dela”, comenta.

Leia mais: Ex-esposa de Wesley Safadão desabafa sobre problemas com pensão

Continua após a publicidade

Marinete da Silva, mãe da vereadora, afirma que é preciso lembrar da filha e que não vai desistir da pressão para que a verdade sobre o assassinato seja revelada. “Nem que eu vá sozinha para a rua, eu vou lutar pela vida de minha filha. Não tem como eu ficar calada diante de uma situação como essa.”

Os pais de Marielle foram a sede da Anistia Internacional no Brasil para chamar a atenção da sociedade para os quatro meses do crime, que ainda não tem sem solução. As investigações, conduzidas pela Polícia Civil, estão sob sigilo.

A coordenadora de Pesquisa da Anistia, Renata Neder, revela ao R7 que defensores dos direitos humanos enfrentam uma dura realidade no Brasil. “Sabendo que, no Brasil, em geral, não se investiga homicídios de defensores de direitos humanos, e que no Rio de Janeiro, a Polícia Civil em geral não investiga os homicídios que têm participação de agentes do Estado, o risco de que o caso da Marielle não seja corretamente solucionando existe, e é alto. E é por isso que a Anistia Internacional tem se mobilizado”, conclui a coordenadora.

A Anistia Internacional divulgou, neste sábado (14), um vídeo em que os familiares de Marielle cobram uma resposta para o crime. A entidade tem promovido campanhas para pressionar as autoridades responsáveis pela investigação.

Continua após a publicidade

Confira o vídeo:

Leia mais: Túlio compartilha foto inédita com filho de Fátima: “meu enteado”

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Publicidade