Em sua estreia no ‘Guardian’, Ferrante relembra seu primeiro amor

"Eu amei aquele menino até chegar a um ponto de achar que eu ia desmaiar", escreveu Elena Ferrante

Elena Ferrante, pseudônimo da escritora italiana famosa por livros como “A Amiga Genial” e “ História do Novo Sobrenome”, é a nova colunista semanal do jornal inglês The Guardian. Em sua primeira publicação, a escritora, que não revela sua verdadeira identidade, começa percorrendo suas primeiras vezes e como tais experiências são moldadas ao longo do tempo.

Ferrante conta sobre o momento em que perdeu a sua virgindade na adolescência e como acabou se apaixonando pelo seu primeiro parceiro de cama. Relembra que tal período foi seguido de muitas incertezas e ansiedades: “Consequentemente, eu descobri o que lembro distintamente do meu primeiro amor: o meu estado de confusão”.

Na época, a escritora tinha 15 anos e se encontrava com o menino, de 17, todos os dias, às seis horas da tarde, em uma área deserta atrás do ponto de ônibus. Em uma noite, resolveu fazer amor com ele com tanta energia e intensidade desinibida que após o ato resolveu não encontrá-lo mais. Porém, relembra que tal menino foi um marco na sua vida: “Certamente eu amei esse menino até o ponto em que, ao vê-lo, perdi todas as percepções do mundo e senti-me perto de desmaiar, não por fraqueza, mas por excesso de energia.” 

Leia também: 7 dicas de livros eróticos para uma leitura prazerosa

A escritora conclui que as primeiras vezes são experiências que, independente de serem boas ou ruins, carregam conhecimentos para o futuro que irão preencher nossas vidas. ” O que estávamos no início é apenas um vago pedaço de cor contemplado desde o limite do que nos tornamos.” 

Leia também: Livros de Elena Ferrante vão virar série