Doreen Bogdan diz que tecnologia não tem gênero – ou não deveria

Chefe do Departamento de Planejamento Estratégico da UIT mostra como educação machista afeta introdução das mulheres na tecnologia

Inclusão feminina na tecnologia é um tema cada vez mais atual e que ainda demanda muitos esforços para podermos observar algum avanço – não só no mercado de trabalho da área, mas também no acesso às ferramentas. CLAUDIA está acompanhando em Nova Iorque, nos Estados Unidos, participando do SDG Media Zone, e mulheres na tecnologia foi um dos assuntos abordados na reunião.

O evento reúne políticos, imprensa e especialistas para debaterem juntos temas relacionados às metas de desenvolvimento sustentável propostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) e acontece paralelo a Assembleia Geral.

Durante o painel, Doreen Bogdan, chefe do Departamento de Planejamento Estratégico da União Internacional de Telecomunicações (UIT), agência das Nações Unidas especializada em Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), levantou a bandeira de que a tecnologia não tem gênero – ou não deveria ter.

Uma pesquisa recente promovida pela ITU mostrou que a situação feminina na tecnologia é cada vez mais ultrapassada. Em média, 200 mil mulheres a menos do que homens possuem um celular, 250 mil mulheres a menos do que homens usam a internet e apenas 10% dos postos de trabalho no Vale do Silício são ocupados por mulheres.

Com resultados alarmantes, a pesquisa analisa também as causas desses número negativos. Estereótipos de gênero (padrões sociais como “meninas devem brincar de boneca enquanto meninos com o carrinho”), falta de autoestima, falta de conhecimento e informação e poucas oportunidades de trabalho foram as principais causas apontadas para o atraso da inclusão feminina na tecnologia.

“Mesmo que a mulheres tenham acesso à tecnologia, ela não tem todo o conhecimento necessário para aproveitar totalmente. É assustador pensarmos que apenas 6% dos aplicativos são criados por mulheres, precisamos mudar isso”, defende Doreen.

Para melhorar essa situação, ela acredita que quatro atitudes são necessárias: “Políticas públicas, planos, estratégias e investimento são algumas das ações essenciais para revertermos esse quadro e darmos oportunidades para as mulheres na tecnologia. Se conseguirmos proporcionar acesso igual à internet para homens e mulheres, iremos atingir as metas para o desenvolvimento sustentável”.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s