Clique e assine com até 75% de desconto

Curso de marketing tem 600 vagas gratuitas para jovens negros

Projeto terá bolsas de estudos, certificação profissional, treinamentos, palestras e mentoria com especialistas do Facebook

Por Da Redação 12 nov 2020, 19h53

Apesar dos negros serem mais da metade da população brasileira, não há representatividade no mercado publicitário. Um estudo feito no primeiro trimestre de 2020 pelo Instituto Guetto, a partir de dados da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE), mostra que a presença de pessoas pretas empregadas no mercado publicitário é de apenas 4,4%. E a de pessoas pardas, apenas 21,5%. Quando o assunto é remuneração, a comunidade negra também está em desvantagem nesse mercado. Enquanto brancos têm remuneração média de R$4.479, pretos e pardos recebem em média, respectivamente, R$1.783 e R$3.312. Sem contar que são muito poucos os profissionais negros, sobretudo em cargos executivos e postos de comando.

Para fomentar ações concretas que possam transformar essa realidade, foi lançado hoje (12) o Projeto Potência Preta, parceria do Facebook com o Instituto Guetto e a consultoria Indique uma Preta. São 600 vagas gratuitas e os candidatos podem escolher um dos dois cursos das seguintes áreas:

Marketing Digital

Foco em jovens negros de baixa renda em busca do primeiro emprego na carreira de marketing digital, mas que não podem pagar por um diploma tradicional. Vale também para quem já tem alguma base, está desempregado, e quer aprender mais sobre os recursos.

Marketing Science

Continua após a publicidade

Oferece aprendizagem de Marketing Science para profissionais negros com mais experiência nas áreas de dados, como mensuração, pesquisa de mercado, ciência de dados, estatística e ciências sociais.

O projeto terá outros recursos educacionais, como bolsas de estudos para cursos com certificação profissional, treinamentos, palestras e mentoria com especialistas do Facebook.

As vagas são limitadas e a inscrição pode ser feita neste site.

Podcast Senta lá, CLAUDIA: Todas as mulheres podem (e devem) assumir uma postura antirracista

 

Continua após a publicidade
Publicidade