CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Caso Marielle: Polícia Federal encontra provas de corrupção na delegacia

Reportagem do UOL relata que a informação foi confirmada por duas fontes ligadas ao inquérito da PF

Por Da Redação Atualizado em 18 fev 2020, 10h15 - Publicado em 4 abr 2019, 11h42

A Polícia Federal encontrou provas de que houve atos de corrupção praticados por membros da DH (Delegacia de Homicídios da Capital) que impediram o esclarecimento da autoria de assassinatos que envolvem milicianos do “Escritório do Crime” e integrantes da máfia do jogo do bicho no Rio de Janeiro. A informação foi divulgada pelo portal UOL nesta quinta (4). 

Leia mais: Policiais são presos acusados pela morte de Marielle e Anderson
+ Manifestações marcam 1 ano do assassinato de Marielle Franco

A publicação relata que a informação foi confirmada por duas fontes ligadas ao inquérito da PF que apura se houve obstrução à investigação sobre a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Marielle e Anderson foram assassinados no dia 14 de março de 2018, no centro do Rio de Janeiro. 

A reportagem apurou que pelo menos dois delegados estão na folha do “Escritório do Crime”, apontado como o autor das execuções e que a propina era paga na sede da Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca. 

De acordo com a publicação, após a conclusão do Caso Marielle, os policiais federais vão focar no desbaratamento da relação promíscua que une integrantes do crime organizado e agentes da segurança pública do estado.

Além do caso Marielle, outros sete crimes ligados ao jogo do bicho e milícia estão sendo investigados pela Polícia Federal: as mortes de Hayton Escafura e Myro Garcia, em 2017, todos atribuídos ao Escritório do Crime. 

A Polícia Civil ainda não se pronunciou sobre o envolvimento de delegados e a Polícia Federal não deu informações sobre a investigação do órgão. 

Leia mais: Delegado responsável pelo caso Marielle será afastado, diz jornal
+ Assessora de Marielle quase entrou em carro de assassinos por engano

Continua após a publicidade

Publicidade