CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Brasileiros poderão entrar com maior facilidade nos Estados Unidos

Brasileiros com visto que participarem do programa Global Entry ganharão “facilidades” nos aeroportos americanos

Por Kalel Adolfo 8 fev 2022, 14h46

Imagine chegar nos Estados Unidos sem enfrentar burocracias e filas extensas para passar pela alfândega americana? A partir de hoje, é possível. Isso porque o Brasil foi incluído no programa “Global Entry”, que possibilita a viajantes brasileiros utilizar quiosques automáticos em aeroportos americanos. Mas vale lembrar: o visto continua sendo obrigatório.

As negociações para que o serviço fosse disponibilizado aos brasileiros demoraram anos, e só agora saíram do papel. Quem estiver interessado deve se inscrever pelo site do CBP, pagar uma taxa de inscrição — que custa 100 dólares para quem tem visto — e esperar pela aprovação.

Após uma checagem de antecedentes feita pelas autoridades brasileiras e pela Alfândega de Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos, o viajante brasileiro aprovado poderá ingressar no país com direito a imigração facilitada.

Por meio de nota, o governo brasileiro declarou que o trâmite simplificado para viajantes brasileiros nos EUA deve estimular contatos empresariais, interação cooperativa e turismo, fortalecendo a relação entre os dois países. Além disso, eles também revelaram que a implementação do programa foi coordenada pela Casa Civil da Presidência da República com a colaboração dos Ministérios das Relações Exteriores, da Justiça e Segurança Pública, da Economia, da Secretaria da Receita Federal e da Polícia Federal.

Primeira tentativa de incluir o Brasil no Global Entry aconteceu em 2015

Os esforços para facilitar as viagens de turistas brasileiros aos Estados Unidos através do programa Global Entry começaram em 2015, quando a ex-presidente Dilma Rousseff e o então presidente Barack Obama anunciaram a inclusão do Brasil na lista de países participantes. Porém, alguns empecilhos fizeram com que o projeto demorasse anos para ser aprovado. Você pode entender os motivos por trás disso em uma recente reportagem da Veja.

Continua após a publicidade

Publicidade