Brasil lidera ranking de violência contra professores

Ao menos 4 mil educadores foram vítimas de atentados no exercício da profissão

Uma pesquisa feita neste ano pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com 34 países mostrou que o Brasil ocupa o topo do ranking de violência contra professores.

A violência, de fato, é uma característica presente nas salas de aula brasileiras. Outra pesquisa, desta vez realizada pelo Prova Brasil em 2015, apontou que ao menos 22.600 professores foram alvos de ameaças por parte de seus alunos e 4.700 sofreram atentados enquanto exerciam a profissão. O instituto ouviu 22.600 docentes do país.

Recentemente, um caso chamou a atenção do Brasil. A professora Marcia Friggi, 51 anos, foi agredida por um aluno de 15 anos em uma escola municipal de Indaial (SC) no dia 21.

A educadora foi a segunda vítima de agressões do estudante. “O adolescente em questão já tem antecedentes. Uma violência contra um colega de escola, uma violência também contra a própria mãe, uma ameaça contra um conselheiro tutelar”, contou a promotora da Infância e da Juventude municipal Patrícia Dagostin Tramontin ao Fantástico.

Por ser reincidente, a promotora pediu que o jovem seja encaminhado para o Centro Atendimento Socioeducativo Provisório. Caso o pedido seja aceito, passará seis meses cumprindo pena.