Bombeiro adota garotinha que salvou em parto complicado

Marc Hadden não imaginava que aquela pequena recém-nascida que ajudou a trazer ao mundo se tornaria sua filha em menos de 48 horas

O bombeiro Marc Hadden, 48 anos, nunca poderia imaginar o modo como iria realizar o desejo de ter o terceiro filho em sua vida: adotar a menina que ajudo a trazer ao mundo após um pedido de socorro da mãe.

No dia 14 de novembro de 2011,  o bombeiro de Myrtle Beach, cidade da Carolina do Sul (EUA), atendeu a um chamado de uma mulher que reclamava de fortes dores abdominais.

Leia mais: Como funciona a adoção internacional

Ao chegar ao local, Marc entendeu que a mulher estava em trabalho de parto e que ele precisaria ajudá-la a ter o bebê em casa.

O parto não foi simples. Marc precisou de uma manobra para que a bebê iniciasse sua respiração fora do útero da mãe. “Ela lutou desde o momento em que foi posta em minhas mãos (…) Foi incrível ouvir ela chorar”, conta Marc em entrevista a edição de janeiro da revista People.

Naquele momento, Marc não imaginava que aquela pequena recém-nascida se tornaria sua filha em menos de 48 horas.

Leia mais: Novas regras da adoção agilizam o processo no Brasil

Após o parto, a mulher resgatada e a bebê foram direcionadas para o hospital local. Lá, a mãe biológica da criança informou que não ficaria com a filha e que ela seria entregue à adoção.

Diante da informação, Marc decidiu ficar com a menina. Era um desejo dele e da esposa, Beth Hadden, 39 anos, terem um terceiro filho. Pais de dois garotos, Will e Parker (hoje dois adolescentes de 15 e 13 anos, respectivamente), o casal não conseguia engravidar novamente por causa de complicações durante as duas primeiras gravidez. “Eu encomendei um bebê”, lembra Beth sobre o recado dado pelo marido naquele dia.

Beth concordou com a decisão de Marc e decidiu conversar com a mãe biológica da filha que viria em breve a sua casa. “Ele me olhou e disse: ‘Quero que você adote o bebê.’ (…) Eu liguei para Marc e falei: ‘Acho que acabamos de ter um bebê’.”

Atualmente, a família continua morando em Myrtle Beach. A criança foi batizada de Rebecca Grace e a história de sua adoção é amplamente conhecida entre eles. “Meu pai me trouxe em uma ambulância e me ajudou a fazer minha respiração”, diz a menina.

Leia mais: Qual é o melhor momento para contar ao filho que ele é adotado?

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s