Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“A vida é uma antes de ir à Índia e outra depois de voltar”

Marcia De Luca, colunista de CLAUDIA, já visitou o país 36 vezes – algumas sozinha, outras acompanhadas – e divide suas experiências.

Por Liliane Prata Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 nov 2016, 14h56 - Publicado em 22 nov 2016, 19h18

Para além das cores exuberantes, dos cheiros inebriantes, dos sabores exóticos e dos barulhos por vezes ensurdecedores, o que mais chama a atenção do turista em sua primeira viagem à Índia é a espiritualidade latente. Foi isso que conquistou Marcia De Luca, colunista de CLAUDIA, e a levou a visitar o país não uma, mas 36 vezes, sozinha ou acompanhando um grupo de alunos em busca de conhecer o lugar e a si mesmos. “Quando você viaja, já fica com uma energia diferente, pois se distancia da rotina corrida e das preocupações. Imagine quando o destino é a Índia, onde as vibrações são milenares”, afirma Marcia.

Da última turma fez parte a mineira Daniela Schiavo, fundadora da rede de confeitarias Bolo da Madre. “Foi uma temporada poderosíssima”, lembra a empresária, que pratica ioga desde a gravidez do filho, Lucca, 10 anos. “Costumo meditar, diariamente, às 5 horas da manhã, logo depois de sair da cama”, conta Daniela. Na viagem, posturas e práticas de respiração pautaram o dia a dia do grupo em todos os destinos.

img_6909
(Marcia De Luca)

“Lá, eles olham dentro dos seus olhos. É um olhar único, profundo. Procurei cultivar isso quando retornei”, diz Daniela Schiavo.

Leia também: Aruba: o que você precisa saber para planejar sua viagem

Continua após a publicidade

 

gettyimages-536997469-iloveimg-converted-1

Beleza e Escassez
A viagem começou em Délhi, segunda maior cidade da Índia (atrás apenas de Mumbai), e seguiu por Varanasi. “O sonho do hindu é morrer e ser cremado ali, na terra de Shiva, a divindade que transforma as coisas”, explica Marcia. A pobreza extrema se destaca, mas não necessariamente pela tristeza que a rodeia. “Vi pessoas em situações muito difíceis, mas, ao mesmo tempo, aceitando a própria condição. É algo bem diferente de tudo o que já tinha visto”, conta Daniela. “Eles acreditam que, ao morrer em Varanasi, voltam em uma vida mais iluminada. Por isso, há muitos crematórios nos rios onde as pessoas se banham. Nós meditamos, contemplamos o pôr do sol, entoamos orações e mantras. Nessa cidade, tive as melhores experiências da viagem”, lembra.

gettyimages-583742456

Continua após a publicidade

Cavernas Reveladas
Com cerca de 12 milhões de habitantes, Mumbai é o maior centro urbano da Índia. “Diferentemente de Varanasi, ali se vê muita riqueza. O mais difícil, porém, é entender o complexo sistema de castas”, diz Daniela. De lá, o grupo seguiu para as cavernas de Ajanta e Ellora, que também ficam no estado de Maharashtra, do qual Mumbai é a capital. Um dos principais destinos turísticos do país, elas foram declaradas patrimônio histórico mundial pela Unesco: por volta do século 1, Ajanta era um dos maiores centros budistas da Ásia; esculpidas 300 anos depois, as grutas de Ellora dividiam-se entre budistas, hindus e jainistas. “Meditamos no interior das cavernas e senti uma energia muito forte”, conta Daniela.

gettyimages-486269097

De corpo e Alma
Em Bangalore, no sul do país, o grupo se hospedou na AyurvedaGram, uma clínica de ayurveda (conjunto de ensinamentos que misturam filosofia e medicina, nascido na Índia há 7 mil anos e adotado por Marcia há 30). “A primeira causa de sofrimento humano é a falta de conhecimento de quem se é de verdade. Não somos um simples corpo, mas espíritos de luz que estão aqui para evoluir”, defende Marcia, com base na sabedoria indiana. Entre aulas de ioga e meditação e massagens, Daniela fez um tratamento de rejuvenescimento e outro para se fortalecer física e emocionalmente. “Voltei diferente desse mergulho de 15 dias. Fiquei mais serena, mais sensível”, garante.

Leia também: Viagem a Portugal: um roteiro nada óbvio para conhecer as terras lusitanas 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.