Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Após 38 anos de escravidão, Madalena ganha transformação no visual

Libertada em novembro do ano passado, Madalena Gordiano mudou o visual e ganhou um ensaio fotográfico para levantar a autoestima

Por Nathalie Oliveira Atualizado em 13 fev 2021, 15h00 - Publicado em 13 fev 2021, 12h13

“Nunca passei maquiagem ou pude deixar o cabelo crescer. Um dia, fiz henna no salão para deixar a sobrancelha mais cheia, mas tive medo da família que morava me julgar e achar feio, então passei água sanitária para tirar a pintura e acabei com a pele queimada”, lembra Madalena Gordiano.

Aos 47 anos, a mulher ganhou as manchetes no ano passado, quando a mídia relatou sua libertação de trabalho análogo à escravidão. Por 38 anos, Madalena trabalhou para uma família sem nenhum direito.

“Quando ganhei esse dia de cuidados, fiquei muito feliz. Fiz hidromassagem, pintaram minha unha, passei maquiagem e usei batom vermelho. Eu tinha muito medo de usar, achava que ficaria feio ou e que eu seria julgada. Mas amei me ver maquiada no espelho”, diz.

A ocasião especial foi um presente da micropigmentadora Graziela Alvarenga, 35, que soube do caso de Madalena na reportagem do Fantástico e depois acompanhou pelo perfil do Instagram @expondocasoescravo. Na rede social, descobriu que Madalena era vaidosa e gostava de se cuidar.

“Quando vi o post, conversei com a minha nora e um amigo fotógrafo para peguntar se topariam entrar nessa ação comigo. Eles aceitaram na hora. Minha nora preparou o café, eu e minha equipe cuidamos de toda parte estética dela. Depois, em outro dia, registramos tudo em fotos”, conta Graziela, do salão Selma Cabelo e Estética, em Uberaba, Minas Gerais.

Alvarenga ainda conta que toda atitude foi gratuita e que o principal objetivo era levar alegria para Madalena. “Quero que a minha atitude inspire outras pessoas a também fazer algo pelo próximo. Beleza também é importante para ajudar encarrar a vida, temos que estar bem de dentro para fora, o que desejo para ela agora é sucesso e vida nova.”

Continua após a publicidade

Felipe dos Santos, o fotógrafo amigo de Graziela, havia lido sobre o caso de Madalena em CLAUDIA. “No começo, ela estava tímida, mas fomos brincando, aquela coisa de mineiro, que é bem receptivo. Ela só quis esperar a chegada dos apliques de cabelo dela, que vieram de uma doação do Paraná”, explica o fotógrafo.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Felipe Dos Santos (@saints.photo)

 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Felipe Dos Santos (@saints.photo)

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Felipe Dos Santos (@saints.photo)

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade