259 pessoas já morreram fazendo selfie

Busca por foto perfeita em locais de risco causa mortes; pesquisa aponta que locais com índice mais alto de óbitos são Índia, EUA, Rússia e Paquistão

Um estudo revelou que a busca por selfies em locais de risco já foi a causa da morte de 259 pessoas entre 2011 e 2017. A pesquisa compilou notícias sobre óbitos que ocorreram enquanto pessoas tentavam tirar fotos de si mesmas em situações arriscadas. Os locais com índice mais alto desse tipo de ocorrência são Índia, Estados Unidos, Rússica e Paquistão.

Os pesquisadores relatam que cerca de 72% das vítimas eram homens e que o número de mortes está aumentando. Foram encontrados apenas três relatos de mortes do tipo em 2011,  98 em 2016 e 93 em 2017. Os autores do estudo dizem que o número pode ser maior, porque uma selfie quase nunca é registrado como a causa da morte.

São casos como o do jovem Gavin Zimmerman, de 19 anos, que caiu de um penhasco na Austrália enquanto fazia uma foto em julho e do artista plástico, Pierre de Freitas, que morreu tentando tirar uma selfie no alto da Serra do Carmo, no Tocantins, em janeiro de 2017.

Pesquisadores da Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos recomendaram que sejam criadas áreas proibidas para selfies em locais perigosos para prevenir estas mortes.

Mais lidas: Preso por estupro, homem sai da cadeia e é suspeito de matar a filha

Mais de 300 personalidades lançam manifesto contra Bolsonaro

 Vote no Prêmio CLAUDIA