Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

2016 teve 4 denúncias de assédio por semana no transporte de SP

Nos últimos quatro anos, boletins de ocorrência por crimes sexuais no transporte público de São Paulo aumentaram 850%

Por Da Redação - Atualizado em 5 abr 2017, 19h26 - Publicado em 15 mar 2017, 16h16

Historicamente, crimes sexuais deixam de ser denunciados com grande frequência – seja porque as vítimas têm medo, vergonha ou desacreditam no poder público. A boa notícia é que, nos últimos anos, as mulheres têm sido mais encorajadas a denunciar agressões.

O número de boletins de ocorrência registrados por estupro, ato obsceno, importunação ofensiva ao pudor e estupro de vulnerável no transporte público de São Paulo aumentou em 850% nos últimos quatro anos. Em 2016, por semana, foram mais de quatro denúncias por assédio.

Leia também: 503 mulheres sofrem ataques físicos a cada hora no Brasil

Em agosto de 2015, o Metrô criou campanha que incentiva a denúncia de passageiras sob o slogan “Você não está sozinha”, além de terem sido criadas ferramentas para denunciar e acionar agentes de segurança. A iniciativa veio após uma série de casos de assédio sexual no metrô serem noticiados. No ano passado, a maioria dos episódios denunciados aconteceu no Metrô e na CPTM, sistemas de transporte sob trilhos de São Paulo; foram 188 casos.

Continua após a publicidade

Em ônibus municipais, foram recebidas 31 denúncias em 2016. Considerando as três modalidades de transporte, entre 2013 e 2016, as denúncias avançaram de 23 para 219. Os dados foram obtidos pelo jornal O Estado de São Paulo por meio da Lei de Acesso à Informação

Leia também: Brasil Selvagem: 30 milhões de mulheres sofreram violência sexual

Descaso

Apesar do aumento de denúncias, ainda não há o que se comemorar. No ano passado, 98% dos suspeitos de abuso sexual no metrô em São Paulo não foram presos. Na prática, mesmo quando levados à delegacia, os suspeitos não ficaram presos e nem foram submetidos a um processo criminal por “falta de previsão legal”.

Publicidade