Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Alunos da rede pública criam soluções inovadoras para problemas locais

Conheça os finalistas e os vencedores do Solve For Tomorrow, da Samsung, que chega a sua 9ª edição de maneira inspiradora

Por Naiara Taborda
Atualizado em 30 nov 2022, 16h09 - Publicado em 30 nov 2022, 08h37

A educação é a ponte para um futuro melhor. Foi partindo deste princípio que a Samsung criou o Solve For Tomorrow, um programa global de cidadania que estimula alunos e professores da rede pública de ensino a desenvolverem soluções para problemas locais – mas com grande impacto social e ambiental – por meio da abordam STEM (sigla em inglês para Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática). Na última semana, um evento em São Paulo reuniu os jovens dos 10 projetos finalistas em uma manhã de premiação que fez emocionar, e que reforçou algo em que nós, aqui de CLAUDIA, acreditamos e tentamos reforçar todos os dias: o amanhã se constrói hoje.

Os projetos contemplados são tão diferentes entre si quanto as regiões do Brasil das quais vieram: de uma estação de tratamento de água portátil ao tratamento das feridas da Leishmaniose com uma biopomada, eles trazem ideias criativas e inovadoras para dar conta dos problemas que são vivenciados diariamente em suas comunidades. Abaixo, você conhece os detalhes dos projetos selecionados para a premiação deste ano.

ARBOCAPS: Cápsulas Sustentáveis Biodegradáveis em combate à Arboviroses

O grande vencedor selecionado pela banca de jurados (que conta com representantes da Samsung e do Cenpec, além de especialistas de universidades e profissionais nas áreas de educação, ciências e tecnologia) foi o projeto criado pelos alunos da Escola de Ensino Médio Em Tempo Integral Marconi Coelho Reis, de Cascavel, no Ceará. A equipe criou uma cápsula biodegradável para combater a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, principal transmissor da dengue, e teve resultados positivos nos testes no laboratório da escola. Quando colocadas em água, elas liberam biocompostos que impedem a proliferação das larvas do mosquito. Conheça mais no vídeo abaixo:

Biopomada para tratamento da leishmaniose cutânea

Em segundo lugar, os alunos do Instituto Federal de Rondônia, no Campus Porto Velho, criaram uma biopomada para tratar a leishmaniose cutânea – uma doença comum na região Norte do país. “Por conta do número de casos, o grupo resolveu criar uma pomada que libera substâncias capazes de eliminar o parasita e curar a ferida causada pela doença. É uma alternativa também para evitar a locomoção por longas distâncias, até porque, a leishmaniose gera um certo afastamento social por conta da aparência que deixa na pele, gerando um impacto na autoestima e na saúde emocional do paciente”, explica Minelly Azevedo da Silva, professora de química e orientadora do grupo. Conheça mais abaixo:

Horta Magnética

Para ajudar no desenvolvimento da plantação da escola, os alunos do Centro de Ensino Integral Dom Ungarelli, no Maranhão, criaram um protótipo de horta desenvolvido com um campo magnético. Os testes mostraram que a técnica é capaz de acelerar o processo de crescimento de pés de alface, sem a necessidade de compostos químicos que podem contaminar o solo e a água. O projeto levou o terceiro lugar. Conheça:

Continua após a publicidade

Micro Estação de Tratamento de água

O júri conferiu aos alunos Escola Estadual CETI Professor Manuel Vicente Ferreira Lima, de Coari, no Amazonas, uma menção honrosa pelo seu projeto: uma micro estação portátil para tratamento da água, com o objetivo de facilitar o acesso à água potável na região. O protótipo é leve e totalmente desmontável, facilitando a locomoção do sistema de casa em casa. A ideia também foi escolhida pelo Júri Popular como um dos destaques, através de uma votação pública no site do programa. Saiba mais no vídeo abaixo:

Gerador Elétrico Eólico Vertical de Baixo Custo (GEEVACDA)

Escolhido como um dos três vencedores pelo Júri Popular, o projeto dos alunos da Escola de Educação Básica Dom Pastor, em Chapecó, Santa Catarina, consiste em um gerador de energia elétrica eólico vertical de baixo custo, desenvolvido com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). Conheça abaixo:

Produção de luvas a partir do Bioplástico

Pensando no impacto ambiental causado pelas luvas descartáveis que foram amplamente utilizadas durante a pandemia de Covid-19, os alunos Centro Territorial De Educação Profissional Do Sisal II, na cidade de Araci, Bahia, desenvolveram o projeto que também foi eleito vencedor pelo Júri Popular. Eles utilizaram o Agave sisalana, ou sisal, para produzir um bioplástico biodegradável e com ação microbiana, que se dissolve em poucos meses quando descartado. Incrível, não é? Conheça abaixo:

Continua após a publicidade

Como se inscrever

Para participar, professores de Biologia, Física, Química e Matemática ou de outras disciplinas das áreas de Ciências da Natureza e Matemática e suas Tecnologias que lecionem no Ensino Médio em escolas públicas das redes municipais, estaduais e federal, devem enviar a inscrição. O período para a 10ª edição ainda não começou, mas você pode acompanhar as datas e regulamento no site.

 

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.