João Santos

Articulando com os setores público e privado, João Santos conduz rede de combate à violência doméstica. Ele é finalista da categoria Eles por Elas do Prêmio CLAUDIA 2019

Gostou deste finalista?
Obrigado por participar! Você pode votar quantas vezes quiser, em qualquer categoria.
Ops! Algo deu errado. Tente novamente mais tarde.

Antes da existência da Lei Maria da Penha, de 2006, o volume de campanhas de combate à violência doméstica era reduzido. “Não era considerada uma pauta para as empresas”, conta João Santos.

No Instituto para o Desenvolvimento Sustentável, ONG fundada por ele, João iniciou, em 2004, o programa Bem Querer Mulher para mobilizar a sociedade civil em relação à causa. Buscou apoio de companhias, da atual ONU Mulheres e da imprensa e gerou um fundo para captar recursos.

Esse movimento impulsionou a criação de um projeto de formação de agentes para atuar no acolhimento de vítimas de violência doméstica que oferecia cursos de 100 horas de capacitação para a prestação de assistência e encaminhamento das mulheres aos equipamentos públicos.

Ao longo de dez anos, foram treinadas cerca de 200 lideranças comunitárias de periferias da capital paulista, capazes de replicar o conhecimento. “Muitas líderes se engajaram bastante, mas não bastava formar”, diz João.

Em 2011, o programa firmou convênio com o governo estadual para levar as agentes a Centros de Integração da Cidadania (CICs), espalhados por diferentes regiões de São Paulo. Com a demanda crescente, ganharam sede própria e passaram a atuar em duas regiões.

Nesses espaços, as mulheres que sofrem com as agressões têm a quem recorrer, recebendo acompanhamento social, psicológico e jurídico. As dez agentes fixas se desdobram para atendê-las – no ano passado, foram registrados 5 mil atendimentos. Elas apoiam o registro de queixas nas delegacias especializadas, encontram vagas em abrigos e ajudam as vítimas a seguir em frente.

Nos bastidores, João mantém um trabalho contínuo de articulação com entidades públicas e privadas para ampliar a atuação do programa. Em uma dessas parcerias, iniciou uma nova frente de trabalho, voltada para a disseminação do combate à violência entre adolescentes. “É nessa faixa etária que começa a surgir o comportamento que leva à opressão”, diz.

No ano passado, um piloto da iniciativa, apoiada pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), reuniu 300 jovens para discutir e aprender mais sobre o tema. Até o final deste ano, serão 5 mil adolescentes do Amazonas, Distrito Federal, da Bahia e de São Paulo.

Criamos uma metodologia de atendimento integral para que as mulheres não voltem a ser vítimas

João Santos