Por que o divórcio Jolie-Pitt pode envolver alienação parental

Comportamento é caracterizado quando um genitor desqualifica o ex para os filhos ou os afasta, gerando disputas que afetam a saúde das crianças

Em setembro passado, o anúncio do divórcio de Angelina Jolie, 41, e Brad Pitt, 53 anos, pegou o público desprevenido. A união de 12 anos, oficializada em 2014, chegava ao fim e se iniciava intensa batalha judicial. Jolie deu entrada no pedido de divórcio com guarda unilateral dos seis filhos do casal e acusou o ex-marido de “comportamento agressivo”  por conta de um incidente envolvendo Pitt e o filho Maddox, de 15 anos, durante um voo privado da família. O FBI chegou a ser acionado, mas não seguiu com as investigações por não ter sido apresentada denúncia concreta. De lá para cá, os dois têm trocado acusações e disputado a guarda dos filhos.

Comportamento desse tipo pode caracterizar alienação parental – quando um dos genitores afasta os filhos do convívio com o ex ou o desqualifica perante as crianças. No Brasil, existe, desde 2010, lei para coibir a prática, que pode ser prejudicial à saúde emocional da criança ou adolescente envolvida. Ela é mais comum entre quem mantém a guarda – geralmente as mães –, mas isso não é regra. Ao se omitir e não buscar participar ativamente do cotidiano dos filhos, o genitor alienado também pode ser responsável por permitir a continuidade das atitudes.

Leia também: 8 perguntas sobre alienação parental

No caso de Jolie e Pitt, o ator ficou um mês sem ver os filhos, até que a investigação do FBI fosse concluída. Atualmente, ele tem direito a visitas acompanhadas por terapeutas, além de precisar comparecer semanalmente a sessões individuais com psicólogos.  Um comunicado da atriz, dois meses após o divórcio, admite que o ex-marido está livre das acusações de abuso e afirma que fez a denúncia pois “precisava agir pela saúde de sua família”. Ela acredita que ele tem problemas de abuso e controle da raiva que precisa resolver, apontou o site TMZ. Segundo as fontes consultadas pela publicação, Jolie pretende se mudar com os filhos para Londres e trabalhar para conquistar o cargo de Secretária Geral da ONU. 

Brad pede na Justiça a guarda compartilhada dos filhos, dificultada caso uma mudança de país se concretize. O ator acusa a ex de expor a privacidade dos filhos no processo, divulgando o nome dos psicólogos da família. Ele a acusa de demonstrar pouco interesse no bem-estar das crianças e afirma que seus representantes estariam dispostos a manchar sua imagem como pai. Em documentos divulgados pela rede CNN na quinta-feira (22), ele alega que a esposa está “determinada a ignorar qualquer acordo que considere o interesse das crianças”. Está marcada para janeiro nova audiência para discutir a situação, que promete não se encerrar tão rápido.

Leia também: O que a criação dos filhos pode ter a ver com o divórcio de Angelina Jolie e Brad Pitt