Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Morre bailarino de clipe ‘Vai malandra’, de Anitta

De acordo com um morador do Vidigal, o dançarino foi assassinado após envolvimento em uma briga na semana passada

Por Da Redação - Atualizado em 10 dez 2019, 14h36 - Publicado em 10 dez 2019, 12h42

Rodrigo Motta, de 28 anos, que participou do clipe “Vai malandra” de Anitta, morreu nesta segunda (9) no Rio de Janeiro. Além da carreira no campo da arte, Rodrigo também era bartender em um bar, no Vidigal, comunidade carioca. Segundo o Extra, a família do dançarino confirmou a morte, porém não informou detalhes sobre o velório e sepultamento do jovem.

De acordo com um morador da região, que não quis se identificar, o dançarino foi assassinado após envolvimento em uma briga na semana passada. A testemunha também informou que a discussão foi motivada por uma revanche. No clipe da cantora Anitta, Rodrigo passa óleo no corpo de mulheres que tomam sol na laje e usam biquínis de fita isolante. 

Reprodução/Instagram

Ao Extra, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio informou que Rodrigo deu entrada no hospital na segunda-feira (9), mas que não resistiu aos ferimentos.

Márcio Motta, irmão do modelo, usou as redes sociais para comunicar o público. “É com enorme pesar que venho informar o falecimento do meu irmão hoje pela manhã. Logo informarei o dia e horário do velório para as últimas homenagens”, comentou.

Continua após a publicidade

Os amigos de Rodrigo estão abalados com a notícia. “Meu maninho, não estou acreditando que nunca mais poderei te abraçar. Não era para ser assim. Você respirava alegria, felicidade, sempre fomos fortes e juntos no melhor e na pior. Você foi um irmão que a vida me deu de gaça. E hoje você se foi, mas o seu sorriso vai ficar em nossos corações para sempre. Ainda ontem comentou na foto que eu postei falando que me amava e nem deu tempo de eu responder antes de terem tirado sua vida. Que dor, que ódio”, comentou o cantor, MC Francês.

Depois de receber a notícia, Anitta também se pronunciou sobre a morte de Rodrigo. “Matar ou morrer virou algo banal no Rio de Janeiro. Isso tem que acabar”, refletiu a cantora.

Publicidade