Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Glee: estreia nas manhãs de sábado da Globo

Globo estreia o seriado musical Glee, que tem como tema a inclusão de alunos por meio do coral de uma escola americana

Por Redação M de Mulher Atualizado em 17 jan 2020, 14h56 - Publicado em 4 jul 2011, 21h00

Excluídos sim, mas muito talentosos: Artie (Kevin McHale), Tina (Jenna Ushkowitz), Brittany (Heather Morris), Kurt (Chris Colfer), Santana (Naya Rivera), Finn (Cory Monteith), Rachel (Lea Michele) e Mercedes (Amber Riley)
Foto: Divulgação

A partir de julho, o público poderá conferir que os legais da escola são aqueles que menos chamam a atenção. A Rede Globo estreia neste sábado (02 de julho de 2011), às 11h15 da manhã, a comédia musical Glee, que retrata o cotidiano dos estudantes de uma escola americana que não são nem um pouco populares. Juntos, eles reúnem-se no coral New Directions (Novas Direções, em português).

A trama é centrada nas histórias dos alunos que são excluídos por suas diferenças. E cabe ao professor de espanhol Will Schuester (Matthew Morrison) revitalizar o coral e ensinar a esses alunos, por meio da música, a aceitarem as diferenças e a descobrirem seus talentos ocultos.

Glee é uma série que promete fazer o público rir, mas, muito mais do que isso, a trama discute como as escolas podem incentivar seus alunos a se relacionarem e a descobrir suas potencialidades. Mas o que fazer quando um deles é excluído pela classe? A série revela a importância de se valorizar as atividades extracurriculares no cotidiano da escola.

Glee: estreia nas manhãs de sábado da Globo

Rachel (Lea Michele) e Finn (Cory Monteith), os protagonistas da série musical
Foto: Divulgação

O desenvolvimento dessas aulas possibilita aos estudantes mostrarem seus talentos, além das habituais aulas de português, matemática, biologia, física, química, que integram o tradicional currículo acadêmico. É um momento em que a escola pode usar e abusar das artes e dos esportes para estimular a interação entre seus alunos.

A pedagoga Maria Bernadete Siqueira acredita que, cada vez mais, as instituições de ensino deveriam investir nessas propostas extracurriculares a fim de valorizar a relação entre os estudantes e seus professores. “A escola deve ter um diálogo franco com seus alunos. Foi-se o tempo em que se escondiam as coisas. A escola tem que conversar e mostrar que todos estão no mesmo lugar. Tem que mostrar que todos têm o seu valor, mesmo nas diferenças. O esporte e a arte permitem aos jovens se conhecerem melhor“, diz Maria, que acredita serem fundamentais as atividades que estimulam os alunos a descobrir seus potenciais.

“Você tem que valorizar o que eles têm de bom. Prestar a atenção no que o indivíduo tem para agregar. Ele começa a ser visto não pelo que ele não tem, mas por aquilo que possui. Ele não é bom em português, mas é ótimo no esporte. A escola não é só formação profissional, é muito mais do que isso”, afirma.

Em Glee, os alunos percebem que são diferentes, sim, e que é no seu talento que reside a força para enfrentar as dificuldades. Por meio de clássicos da música pop, eles aprendem sempre uma lição a cada episódio. Nos Estados Unidos, a série terminou a segunda temporada e volta, em setembro, para mais uma. Ao todo, são 22 episódios a cada ano. Um sucesso absoluto. Quem sabe você não se inspira nessa trama e cria seu próprio clube? Ou dá essa ideia na escola de seu filho. Fica a dica!
 

Continua após a publicidade
Publicidade