Clara Averbuck desabafa em vídeo sobre repercussão do estupro

Escritora tem sido criticada por não denunciar motorista de aplicativo que a violentou sexualmente. Em vídeo, ela responde os comentários.

A escritora Clara Averbuck, 38 anos, relatou na segunda-feira (28), em seu perfil no Facebook, que foi estuprada por um motorista de aplicativo de caronas no domingo (27). Em seguida, ela escreveu um relato mais completo aqui no site de CLAUDIA.

Apesar de ter recebido o apoio de amigos e desconhecidos, além da violência sofrida, Clara tem precisado lidar com uma chuva de críticas e questionamentos. Em função disso, no início da tarde desta terça-feira (29), ela publicou um vídeo desabafando em seu perfil do Facebook.

Com o rosto claramente ferido – que ela afirma ser resultado do momento em que o motorista a derrubou no chão –, ela explica mais uma vez que não confia no sistema, por isso não quer denunciar o agressor. “B.O. não é um documento mágico do Harry Potter que vai te defender”, disse. “O cara sabe onde eu moro. Ele não parou na porta de casa, porque aqui tem câmera. Ele parou na rua do lado, porque já estava mal intencionado”, desabafou.

Veja: