11 fatos que provam que Hebe Camargo foi uma mulher totalmente icônica

Além de seu papel fundamental na construção e consolidação da TV brasileira, a rainha Hebe sempre fez o que ninguém em sua época ousava fazer.

Sete anos atrás, em setembro de 2012, o público se despedia de Hebe Camargo, a mulher mais amada da televisão brasileira. E essa semana, no dia 26, chega aos cinemas o filme ‘Hebe – A Estrela do Brasil‘, estrelado por Andréa Beltrão. Essa é a primeira cinebiografia da apresentadora.

Hebe nasceu em 8 de março de 1929, em Taubaté, São Paulo. Inicialmente, foi lançada como cantora, mas expandiu suas possibilidades e tornou-se também atriz, humorista, radialista e apresentadora de TV – sendo esta última a profissão que a consagrou.

Andrea Beltrão como Hebe Camargo Vida de Hebe é retratada em filme com Andréa Beltrão no papel principal.

Vida de Hebe é retratada em filme com Andréa Beltrão no papel principal. (/)

Morreu aos 83 anos, no dia 29 de setembro de 2012, em São Paulo. Ela foi vítima de uma parada cardiorrespiratória enquanto dormia e sua saúde já estava muito fragilizada desde o início de 2010, quando foi diagnosticada com câncer no peritônio.

O filme sobre Hbe retrata um breve período de sua vida, em meados dos anos 1980. Foi a época em que ela saiu da TV Brandeirantes e foi para o SBT, emissora onde trabalhou por 25 anos. Mas a vida desse ícone teve muitos outro momentos marcantes, como você vê a seguir.

1- Hebe participou do nascimento da TV brasileira

Ela esteve presente no lançamento da TV Tupi, a primeira emissora brasileira e da América do Sul, em 1950, ao lado do fundador Assis Chateaubriand. Até aquela época, Hebe cantava em uma rádio de São Paulo e, mais tarde, foi convidada a cantar o hino da televisão na primeira transmissão ao vivo do país. Ela não compareceu na ocasião e foi substituída por Lolita Rodrigues, que veio a se tornar uma de suas melhores amigas.

Hebe Camargp Antes de iniciar a carreira de apresentadora, Hebe soltava a voz nas rádios e chegou a ser convidada para inaugurar a TV brasileira como cantora.

Antes de iniciar a carreira de apresentadora, Hebe soltava a voz nas rádios e chegou a ser convidada para inaugurar a TV brasileira como cantora. (Vídeo Show/Reprodução)

2- Comandou o primeiro programa brasileiro para mulheres

Em 1955, Hebe foi chamada pela TV Paulista, concorrente da Tupi, para apresentar o programa ‘O Mundo é das Mulheres‘, a primeira atração brasileira voltada para o público feminino. A oportunidade veio por conta de sua ascensão como cantora e de sua simpatia pura. Lá, a apresentadora já discutia o papel das mulheres na sociedade.

3- E fez isso quando ainda era muito jovem

Ela tinha apenas 26 anos quando começou a comandar seu primeiro programa de TV. Pioneiríssima antes mesmo de completar 30 anos – e numa época em que a sociedade era ainda mais machista do que hoje em dia.

4- Passou por cinco emissoras da TV aberta (e sempre foi disputadíssima)

Hebe é a apresentadora que mais teve programas em grandes emissoras. Durante toda a sua carreira, encantou o público na TV Tupi, TV Bandeirantes, Rede Record, SBT  e na RedeTV!. O SBT foi a emissora onde permaneceu por mais tempo, 25 anos. Depois de uma breve passagem pela RedeTV!, o retorno de Hebe foi anunciado pelo SBT no dia 27 de setembro de 2012, mas a apresentadora viria a falecer dois dias depois disso.

5- Ela ficou MUITO tempo no ar

Hebe trabalhou até o fim da vida e faleceu aos 83 anos. Quando lhe perguntavam há quantos anos ela estava na TV, simplesmente respondia com outra pergunta: “Quantos anos tem a televisão?”. De 1955 a 2012 ficou alguns períodos fora do ar – como quando ela afastou-se em 2010, para tratar o câncer. Nessa ocasião, o retorno de Hebe emocionou a todos, pois ela já tinha 81 anos e ninguém sabia ao certo se poderia voltar a trabalhar.

6- A audiência de seus programas era muito alta

Em média, seus programas sempre tiveram uma ótima audiência, tendo dois grandes picos notáveis: o primeiro foi em 1966, quando a apresentadora estreava o ‘Hebe Camargo‘ na Rede Record. Em plena ditadura militar, conseguiu altos pontos de audiência em um programa de entrevistas que recebia famosos polêmicos na época, como Chico Buarque.

O segundo grande marco em termos de audiência foi em 2001, no SBT, quando recebeu os integrantes da ‘Casa dos Artistas‘ e atingiu incríveis 30 pontos de audiência. Até aquela edição, o programa de Hebe tinha, em média, 23 pontos, o que já é um ótimo número. Saindo em disparada a frente dos outros canais, Hebe consagrou-se naquele momento como a apresentadora mais popular de toda a TV brasileira.

7- Poderosa, ela juntou uma fortuna multimilionária ao longo da carreira

Hebe era uma das apresentadoras mais ricas durante a época em atuou na TV. No SBT, por exemplo, recebia por mês 1,5 milhão de reais. Sua mansão, que é mantida até hoje no bairro do Morumbi, na capital paulistana, é avaliada em 45 milhões – e reúne todos as joias, objetos e decoração extravagante que a apresentadora gostava de ter.

Dos sapatos caríssimos da Louis Vuitton até as milhares peças de roupas guardadas em seu closet, Hebe gostava do extravagante, mas sem deixar o carisma de lado. Foi trabalhando desde os primórdios da TV e da rádio que ela construiu seu grande império.

A herança deixada pela apresentadora – ao filho único e a um sobrinho que ela amava como filho – era de 60 milhões de reais, segundo dados divulgados em 2013.

Hebe Camargo Poderosa, Hebe também era reconhecida internacionalmente. Essa foto registra o momento em que a apresentadora recebeu um prêmio no Grammy Latino, em 2011, por seu trabalho na televisão.

Poderosa, Hebe também era reconhecida internacionalmente. Essa foto registra o momento em que a apresentadora recebeu um prêmio no Grammy Latino, em 2011, por seu trabalho na televisão. (Denise Truscello/Getty Images)

8- Enfrentou a Ditadura Militar e a censura

Estando no ar durante o período militar no Brasil, Hebe nunca deixou de expor sua opinião e defender a liberdade de expressão. Fazia crítica à repressão, aos políticos e ao poder ditatorial que comandava o Brasil naquela época.

O filme sobre ela, dirigido por Maurício Farias e escrito por Carolina Kotscho, mostra essa faceta da apresentadora. Em um momento em que o controle da mídia e a censura eram comuns, Hebe se pôs firme e não deixou que modelassem seu programa da forma que o governo gostaria. Nos anos 1980, ela chegou a ser processada por deputados federais, após declarações polêmicas.

9- E era uma defensora dos direitos LGBT

Em plena década de 80 – mais especificamente em 1987 – Hebe já falava abertamente sobre os direitos da comunidade LGBT. Em uma de suas entrevistas mais conhecidas, no ‘Roda Viva‘ da TV Cultura, ela disse com todas as letras que não há lógica em discriminar as pessoas da comunidade LGBT por serem apenas quem são.

Ao ser questionada a respeito da defesa do “homossexualismo” – termo errado usado naquela época – Hebe respondeu: “Por que não defender? Por quê? Eles são piores do que a gente? Eles escolheram ser assim? São seres humanos iguais à gente. Eles têm pai, mãe, irmãos. Trabalham. Pagam seus impostos”.

E ao ser perguntada se ela, como figura pública, não poderia “proliferar a prática”, a apresentadora não hesitou: “O fato de eu falar não vai mudar. Ou as pessoas nascem assim, ou não nascem. […] Quem tem que ser é. Eu tenho muitos amigos homossexuais, pessoas com quem eu aprendo muito. São pessoas educadas, maravilhosas, com uma cultura que eu gostaria de ter e não tenho. Tenho profundo respeito, eles por mim e eu por eles.”

Você pode assistir ao momento do debate neste vídeo (a partir de 42:20):

10- Hebe falou abertamente sobre ter abortado

A primeira vez em que tocou no assunto publicamente foi na mesma edição do ‘Roda Viva’, em agosto de 1987. Ela revelou ter feito um aborto e defendeu que isso é uma questão muito pessoal, que deveria ser levada em conta a liberdade da mulher de querer fazer ou não.

“Eu acho o aborto uma coisa muito pessoal. Acho uma coisa tão delicada. […] O que as pessoas têm que pôr na cabeça é que não é pelo fato de legalizar uma coisa que você vai ser obrigada a fazer. […] Por mim pode legalizar o quanto quiser”, disse. Você pode assistir a essa declaração no mesmo vídeo do item anterior – a partir de 1:13:33.

Dez anos depois, voltou a falar abertamente sobre o assunto em uma icônica reportagem de capa da revista Veja, em que diversas famosas assumiram que já haviam abortado.

“Eu tinha 18 anos e um corpinho lindo, sobrancelhas grandes, cabelos compridos e escuros. Começava minha carreira de cantora de rádio. Na minha primeira relação sexual fiquei grávida. Não podia contar para ninguém. Meu pais sempre foram muito severos e naquela época era uma perversão ter relação sexual sem se casar. Contei para uma amiga, uma vizinha. Ela soube de um local onde uma mulher fazia aborto. Ela não era médica. Numa sala pequena, sem anestesia, sem medicamento nenhum, fez a curetagem [procedimento de raspagem na parede uterina]. A dor era tão intensa que ameacei gritar. Jamais vou esquecer-me daquela voz falando em tom alto e áspero para eu calar a boca”.

11- Hebe é considerada a Rainha da TV brasileira

E é mesmo! Por ser uma mulher importantíssima, pela grande contribuição à indústria do entretenimento no Brasil, além de toda a sua história de vivência e de resistência, Hebe Camargo é, de fato, um ícone consagrado.

Apesar das conquistas antigas, seus atos e discursos reverberam até hoje. Por tudo isso, ela é considerada a nossa Rainha da Televisão. Ouvindo, assistindo e prestigiando Hebe, sabemos que ela é uma personalidade que fez história e ainda nos inspira muito.

Hebe Camargo O trabalho de Hebe permanece vivo e continua inspirando as novas gerações.

O trabalho de Hebe permanece vivo e continua inspirando as novas gerações. (Michael Caulfield/WireImage/Getty Images)