Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Juliana Borges lança curso “Glossário Antirracista”

Em tempos em que o racismo tem sido muito discutido, é importante conhecer ferramentas para lutar contra ele

Por Da Redação Atualizado em 3 dez 2020, 12h25 - Publicado em 3 dez 2020, 13h00

Angela Davis já dizia: “não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”. Pensando nisso e em todos os casos de racismo que têm acontecido em torno do mundo, a feminista negra e colunista de CLAUDIA, Juliana Borges lançou o curso Glossário Antirracista.

“Um curso como esse acaba sendo importante porque as pessoas precisam se perceber e começam a se sentir desconfortáveis com esse sistema de dominação que é o racismo. Elas passam a questionar o fato de que não fazer nada acaba sendo uma postura de sustentação a essa dinâmica de brutalização de uma série de vidas”, explica Juliana.

Com conteúdos exclusivos como livros, dicas literárias, filmes e dinâmicas interativas online, o material do curso terá perguntas e respostas que poderão ser utilizadas no dia a dia, para fortalecer uma prática antirracista.

O curso tem o objetivo de explicar e potencializar conceitos e palavras que muitas vezes, são esvaziadas nas redes sociais. “Sinto que há muita dificuldade das pessoas entenderem o que é branquitude, o que é necropolítica. Acho importante que as pessoas conheçam esses conceitos, então é apresentar um panorama geral desses conceitos e indicar onde as pessoas podem buscar informações de aprofundamento”.

Após a morte de George Floyd, outros protestos e reivindicações da população preta se surgiram ao redor do mundo, levantando assim a discussão sobre a responsabilidade das pessoas não negras no que diz respeito ao racismo e suas formas de opressão. “O fenômeno do racismo vai se adaptar em determinadas localidades, mas é sistema de dominação que se dinamiza e reacomoda, que se atualiza a partir das localidades”, argumenta Juliana.

As inscrições poderão ser feitas pelo site e estarão disponíveis até o dia 10 de dezembro. As aulas começam no dia 15, às 19h.

Todas as mulheres podem (e devem) assumir uma postura antirracista

Continua após a publicidade
Publicidade