Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Uma lista de filmes na temática LGBT+ que você não pode perder

Nosso designer Ícaro Guerra fez uma seleção imperdível de filmes de ficção e documentários para refletir e se divertir

Por Icaro Guerra - Atualizado em 18 jun 2020, 17h01 - Publicado em 18 jun 2020, 13h40

Quando começamos a pensar na programação do Mês do Orgulho, nosso designer Ícaro Guerra quis participar. Depois de muita pesquisa de campo (sim, longas maratonas em frente à TV), ele reuniu 10 filmes + 1 bônus que mostram histórias importantes na luta pelos direitos da comunidade LGBT+, relatam a vida de figuras icônicas e realçam marcas diárias do preconceito da sociedade. Já que estamos em casa, vale se jogar nesse mergulho com aprendizado garantido.

Paris is Burning
O documentário de 1990 ainda é superatual. Mostra a vida da comunidade LGBT+ de Nova York, durante os anos 1980 – a diretora Jennie Livingston ficou sete anos captando imagens e editando até chegar ao resultado final. O filme gerou polêmica: alguns disseram que só mostrava o lado negativo. Mas, no geral, virou um clássico e ajudou a exaltar a cultura drag e figuras relevantes da cena. Tem no YouTube e Netflix. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

São Paulo em Hi-Fi
João Silvério Trevisan e Leão Lobo são apenas algumas das figuras que aparecem no documentário de Lufe Steffen, de 2013. Numa viagem ao passado, ele reconstrói as noites gays de São Paulo nas décadas de 1960, 1970 e 1980. São relatos emblemáticos de anos em que o movimento ganhou mais espaço, um contraponto direto com o momento de censura da ditadura. Tem no Looke. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Priscilla, a Rainha do Deserto
Icônico. Priscilla é o nome do ônibus que leva as drag queens Anthony e Adam e a transexual Bernadette pelo deserto australiano. Descobertas sobre o destino final fazem o filme dar uma reviravolta (não vamos dar spoiler aqui!). Dirigido por Stephan Elliott e lançado em 1994, tem uma trilha sonora incrível. Tem no Netflix e no Telecine. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho
A descoberta da sexualidade é uma fase difícil e conturbada para a maioria dos adolescentes. Não é diferente para Leonardo, um garoto cego. Mas ele ainda precisa encarar a mãe superprotetora e fazê-la respeitar o momento delicado que ele vive ao chegar num novo colégio. O filme de Daniel Ribeiro é de 2014. Tem no Youtube, Netflix e Google Play. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Me Chame Pelo Seu Nome
Candidato ao Oscar em diversas categorias em 2018, o longa tem direção de Luca Guadagnino e trilha sonora de Sufjan Stevens. Num verão italiano, um jovem vivido por Timothée Chalamet se encanta por um aluno de seu pai, interpretado por Armie Hammer. Delicado e sensual, é profundo ao falar da descoberta dos sentimentos e da permissão pessoal para senti-los por inteiro. Tem no YouTube e no Google Play. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

O Segredo de Brokeback Mountain
Ang Lee é um diretor de sucessos, como A Vida de Pi (2012) e O Segredo de Brokeback Mountain (2005). O que os sucessos de público têm em comum são a capacidade de mostrar com certa poesia grandes dores da humanidade. Com Heath Ledger e Jake Gyllenhaal no elenco, esse não é um filme para quem tem estômago fraco, mas causa enorme reflexão. Tem no Amazon Prime. Veja o trailer.

Continua após a publicidade
Foto:/Reprodução

A Morte e a Vida de Marsha P. Johnson
“A Rosa Parks do mundo LGBT”: era assim que algumas pessoas chamavam a ativista Marsha P. Johnson. O documentário mostra a trajetória dessa mulher trans, uma das fundadoras de um movimento americano revolucionário pelos direitos de pessoas trans e figura importante do episódio de Stonewall. Sua morte trágica é questionada no filme dirigido por David France, de 2017. Tem na Netflix. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Azul é a Cor Mais Quente
Azul é a cor do cabelo de Emma, personagem interpretada por ‎Léa Seydoux. Ela e Adèle (Adèle Exarchopoulos) vivem as profundas sensações dos primeiros amores, dos anos de descoberta. De 2013, dirigido por Abdellatif Kechiche. Depois foi revelado que os bastidores do filme não eram nada amorosos, mas abusivos para todos os funcionários da equipe, especialmente as atrizes. Tem no Telecine Play. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Moonlight: Sob a Luz do Luar
Envolvido numa das maiores polêmicas do cinema (quando o Oscar de melhor filme foi anunciado para o longa errado), Moonlight merece atenção pelo tratamento cuidadoso do roteiro e com a estética do filme. Mahershala Ali cresce em um ambiente e numa comunidade pouco acolhedora, e é obrigada a recusar sua verdade por muitos anos. De 2016, dirigido por Barry Jenkins. Tem na Netflix, no YouTube, no Google Play. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Tomboy
O filme dirigido por Céline Sciamma narra as vivências de uma menina que muda de bairro e passa a se apresentar como menino para os novos vizinhos. O filme é muito sensível e se preocupa mais em mostrar os anseios de uma criança “fora dos padrões” do que em dizer se a trama fala de um menino trans ou de uma menina cis que detesta vestidos e ama jogar futebol. Em entrevistas, no entanto, Céline se refere à personagem sempre no gênero feminino. De 2011, tem no Telecine. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Bônus
Má educação
Pedro Almodóvar não tem medo de tocar em assuntos espinhosos (criminosos, na verdade). No filme de 2004, ele denuncia os abusos de crianças praticados por padres na Igreja Católica. Gael García Bernal reencontra um amigo da adolescência e revela fatos desconhecidos, que fazem o colega refletir sobre formação de identidade e o impacto da repressão e da não-aceitação. Tem no Telecine Play, HBO Go. Veja o trailer.

Foto:/Reprodução

Resiliência: como se fortalecer para enfrentar os seus problemas

Continua após a publicidade
Publicidade