CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS

Roteirista da série “Sintonia” defende a realidade da periferia na ficção

"Quando a gente tem diversidade por trás das câmeras, a representatividade aparece no resultado final da produção", diz a roteirista Luíza Fazio

Por Sarah Catherine Seles (colaboradora) Atualizado em 29 out 2021, 20h17 - Publicado em 29 out 2021, 20h05

A estreia da segunda temporada de Sintonia, série brasileira da Netflix, nesta quarta-feira (27), movimentou a plataforma. Em apenas um dia, a produção, que acompanha a história de Rita (Bruna Mascarenhas), Nando (Christian Malheiros), e Doni (Jottapê), já chegou ao primeiro lugar do Top 10 no Brasil.

Criada e produzida pelo empresário e diretor Kondzilla, que é um dos principais nomes da indústria audiovisual do funk brasileiro, a série retrata a realidade da periferia de São Paulo. Inspirada na infância de Kond, a narrativa fez sucesso no mundo todo, uma vez que se tornou a produção brasileira mais assistida em 2019.

O sucesso é fruto do trabalho de muitas ideias em consonância. Para CLAUDIA, Luíza Fazio, roteirista das duas temporadas, lembra detalhes do processo de criação.

“O maior desafio é conseguir trazer muito da realidade da periferia de São Paulo sem perder os elementos da ficção. Então, no momento de escrever, a gente tenta trazer ideias de histórias que já ouvimos acontecer, de fofocas, de coisas que nascem nas ruas”, explica.

Luíza Fazio
Luíza Fazio conta sobre a escrita do roteiro de Sintonia Liel Marín/Reprodução

“É sempre mais difícil conseguir aliar o que é divertido de assistir e não fugir da realidade, já que não dá para inventar coisas que não existem ou não cabem. Por exemplo, a gente adoraria que a Rita fosse em um fluxo, só que agora ela é convertida à igreja evangélica. Então, isso não é possível, porque temos que manter a realidade da natureza dela, de onde ela está agora e do que tem como perspectiva de vida”, conta Luíza.

View this post on Instagram

A post shared by Netflix Brasil (@netflixbrasil)

Continua após a publicidade

Luíza explica que o processo de escrita de um roteiro exige um mergulho profundo em toda a história dos personagens. “Quando a gente escreve, temos que nos colocar no lugar do personagem, como se entrássemos no corpo dele. Assim, temos a perspectiva desse personagem, o pensamento, os sentimentos. Vivemos junto com ele”, afirma a roteirista.

Ela exemplifica com o dilema e as nuances complexas presentes no personagem Nando. “O crime pode tirar a vida dele, mas, ao mesmo tempo, é a única forma de sustento que ele tem para a mulher e a filha dele, porque ele quer manter essa família. E isso é o que move o personagem em todas as temporadas”, explica Luíza.

Luíza Fazio
Luíza Fazio fala também sore a importância da diversidade nas produções audiovisuais Liel Marín/Divulgação

Diversidade no audiovisual

Assim como no resultado das produções, a diversidade é crucial entre as pessoas responsáveis por construir cada obra. No caso de Luíza, o seu gênero e a sua orientação sexual rompem com a estrutura masculina e heteronormativa ainda majoritária no audiovisual.

Acho que quando a gente tem diversidade por trás das câmeras é que a gente consegue trazer diversidade de uma maneira complexa e real para as câmeras”, afirma. Luíza acredita que as produções projetadas com pluralidade, muitas vezes, têm resultados melhores e, consequentemente, mais aceitação do público.

“A gente sabe o quanto é importante se ver na tela, o quanto é importante uma pessoa que nunca achou possível que quem ele ou ela é estivesse no número um da Netflix. Ela poderá dizer: ‘Minha existência é válida e olha lá tudo que eu passo, os problemas que eu passo’”, reflete a roteirista.

Luíza também escreveu Sentença e LOV3, da Amazon Prime, Samantha!, da Netflix e Carenteners, da Warner. Hoje, ela ainda se debruça no roteiro da segunda temporada de Cidade Invisível, série da Netflix que foi número 1 em 40 países.

Continua após a publicidade

Publicidade