Clique e assine com até 75% de desconto

“O refúgio em sonhos”, poema de Adriel Bispo

O jovem leitor Adriel Bispo, que comanda o Instagram @livrosdodrii, escreve sobre seus sonhos para o futuro

Por Da Redação Atualizado em 12 ago 2020, 19h22 - Publicado em 14 ago 2020, 14h00

Encontro refúgio naquilo que muitos não dão valor

Valorizo o que muitos deixam passar

Os livros me movem a imaginar

A cada passo da minha vida é um sonho alcançado

É uma dificuldade enlaçada e jogada para trás

 

Sou livre, até que provem o contrário

Levo na pele as marcas de um passado duro

Um passado complicado

Um passado que passou

 

Mas que deixou as suas marcas

Na pele de quem protestou

Na cor de quem lutou e de quem conquistou

Foi duro, foi difícil, até que acabou

 

Na história é complicado, mas na vida é bem mais árduo

Vivemos isso ontem e hoje, amanhã e depois

Até que eu mude isso

Com Leitura e com Cultura

 

Os livros são o remédio que cura a ignorância

Ignorância de pessoas sem felicidade

Sem vivência e sem esperança

 

Porém existe uma luz no fim do túnel

Os jovens que são a luz do mundo

Que podem mudar tudo

E recriar o mundo

 

A minha vida não foi fácil

Para chegar aqui lutei, caí, levantei

E numa dessas caídas da vida

Fugi dos padrões e resolvi responder

 

“Preto tem que cavar mina não ler”, disse ele sem saber

Que por ser um jovem negro sabia ler e escrever

E tudo que ele disse transformei em poder

No poder da cultura, no poder da leitura

 

Mostrei a todos que eu tenho meu valor

E não me rebaixo por ter a minha cor

Me orgulho de mim

Mergulho dentro de mim

 

Sonho e crio

Os sonhos não têm limites

Continua após a publicidade

Então chega de palpites

E vamos subir para as elites

 

Não existe distinção de um povo lutador

Que acorda 5 da manhã para cessar a dor

Da criança que não tem o que comer

Que não tem onde estudar

 

Encontrou o seu eu, encontrei o meu eu

Que só tenho a mim

Para vencer os gigantes

E ultrapassar preconceitos

 

Os famosos conceitos dos racistas

Que julgam sem dó nem piedade

Por pura vaidade

 

Tirando o brilho do olhar

Da criança que quer estudar

Para no futuro se tornar

Aquilo a se invejar

 

Lembrando sempre que o negro fez a liberdade cantar

E os males espantar

Com o jeito brasileiro de conquistar

E assim desfrutar da vida

 

Liberdade do povo que não sabia ler

E que carrega nas costas o fardo de ser

De ter e de querer

Para assim como eu

Ser LIVRE pelos LIVROS

 

O que tenho como livre

Graças ao livro

Que me livra

Da ignorância alheia

Portanto, LIVRE-SE

 

Acervo pessoal/Divulgação

 

 

 

 

Adriel bispo tem 12 anos. É leitor voraz e escritor, criador do canal no Instagram @livrosdodrii

 

  • O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

    Continua após a publicidade
    Publicidade