Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Batucabrum: o projeto que ajuda Brumadinho a superar o luto

Projeto musical tem o intuito de promover a cultura e a transformação social em Brumadinho

Por Isabella D'Ercole - 25 jan 2020, 11h14

Há 1 ano, quando ficou sabendo do rompimento da barragem em Brumadinho e da camada de lama que havia coberto a região do Córrego do Feijão, Lecy Geovani entrou em seu carro e foi direto para o local. “Não tinha como ser diferente, nosso projeto já acontecia lá há 6 anos, tínhamos uma relação com a comunidade, muito carinho pelas pessoas”, explica um dos coordenadores do projeto Batucabrum, que nasceu com o intuito de ensinar música a crianças e jovens de áreas vulneráveis.

O cenário encontrado foi o pior possível. No caminho, Lecy entendeu a gravidade da situação. Tudo era lama. Havia barulho de helicóptero, bombeiros escavando a lama. Ele dirigiu 9 quilômetros até lá para encontrar uma comunidade devastada. O projeto perdeu duas alunas, uma que fazia aulas de flauta e outra de violão. As famílias estavam desamparadas.

View this post on Instagram

2° Mostra cultural BATUCABRUM ! Foi demais !!

A post shared by Batucabrum (@batucabrum) on

Continua após a publicidade

Reconstruir após tamanha tragédia virou uma missão também do Batucabrum, que já existe desde 2008 com o intuito de promover a cultura e a transformação social em Brumadinho. Inicialmente, o projeto visava crianças de 7 a 18 anos. Com a tragédia, abriram aulas também para adultos. “Houve a necessidade de abrir novas vagas, acolher alunos, e ter esse olhar especial para abraçar, trazer conforto para as pessoas”, acrescenta Lecy. Hoje, o projeto tem 150 alunos e três locais de atendimento: em Brumadinho, no Córrego do Feijão e num quilombola da região.

“Esse movimento de não desistir após a tragédia foi muito importante. Fomos direto para Córrego, reunimos as crianças, fizemos um atendimento direto. E nas primeiras semanas retomamos as atividades normais. A música e a arte deram força para todos nós, inclusive para nossa equipe, que também ficou muito impactada”, conta Lecy. “A música é nosso porto seguro. Víamos que, ali, as crianças brincavam, sorriam. Surgia uma forma menos agressiva de olhar para uma realidade tão dura.”

View this post on Instagram

Apresentação da percussão do Batucabrum com tambores reciclados no colégio Magnum de BH !!

Continua após a publicidade

A post shared by Batucabrum (@batucabrum) on

Mesmo após 1 ano, ainda é difícil para Lecy visitar o local. “A paisagem mudou toda. Estão fazendo de novo as estradas, reconstruindo o que a lama destruiu. Ainda tem equipe de corpo de bombeiros fazendo buscas. É muito doloroso, eu vou toda semana pelas famílias”, fala. Na sexta (24), o Batucabrum organizou com as crianças um teatro para a comunidade em homenagem aos que morreram no dia 25 de janeiro do ano passado.

View this post on Instagram

BATUCABRUM no batalhão aéreo do corpo de bombeiros !

Continua após a publicidade

A post shared by Batucabrum (@batucabrum) on

Hoje, a grande dificuldade do Batucabrum é lidar com a dissolução da comunidade. Lecy conta que muitas pessoas preferiram ir embora, não conseguiram ficar ou perderam tudo. Nesses casos, os vínculos com os alunos se perdem e fica o desejo de ter ajudado mais.

“A arte foi o que salvou. Ela foi a responsável por manter a união, a força, e por recuperar a esperança. A lama passou por cima de tudo. E agora a arte vai passar por cima da lama”, conclui Lecy.

 

Continua após a publicidade

Leia mais:

+ A mulher que abriu um instituto após perder filhos e neto em Brumadinho

+ As histórias de mulheres que perderam pai, companheiro e filho no desastre

 

Continua após a publicidade
Ouça no Youtube:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=pnk1zBFxnpk?version=3&rel=1&fs=1&autohide=2&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&wmode=transparent%5D

Publicidade