Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sofia Menegon

Sofia Menegon é feminista, idealizadora da podcast Louva a Deusa e consultora em relacionamento e sexualidade
Continua após publicidade

Quando é hora de terminar a relação

Separar-se é, com frequência, um ato de amor próprio. Uma aposta em si mesma e na vida

Por Sofia Menegon
29 set 2022, 08h51

Eu escrevi uma vez que não nascemos um para o outro. Que eu era o berro, a guerra, o sangue. Ele, o silêncio, a fuga e o asseio. Em algum momento, nos tornamos uma sinfonia com seus movimentos ora rápidos, ora lentos. Dançamos um balé de descompassos e escrevemos um roteiro blasé de final inesperado. Nos amamos e nos odiamos com forças equânimes, como havia de ser. Gozamos juntos da vida e choramos também as dores de vivê-la. Fomos felizes tanto quanto podíamos ser.

Um relacionamento como o que eu tive com meu ex-parceiro não termina subitamente. São amontoados de situações que vão, pouco a pouco, sufocando o casal que existia ali. Quando, por sorte ou grande esforço, ainda resta uma amizade sólida, o fim tende a se arrastar porque se acredita que a qualquer instante a paixão pode reacender. Mas não é assim que, na maioria dos casos, acontece. 

Aflora, em tempos de crise, um saudosismo ludibriado. Deseja-se voltar ao que se era antes, resgatar a energia do início da relação, recuperar a vontade insaciável por aquele outro ser humano. Mas, assim como todas as coisas, em um relacionamento amoroso também não se deve voltar para atrás. Primeiro porque não é possível. Segundo, porque significaria jogar fora tudo que se construiu ao longo dos anos. Não é preciso retomar. É preciso seguir e, por vezes, seguir é, sem eufemismos, sinônimo de separação.

Decidir pela separação foi tão natural quanto improvável. Havíamos finalmente nos acertado quanto à não-monogamia. Estávamos livres de uma reforma que durou meses. Conseguimos uma trégua no caos familiar. A gente acordava com música e dormia sorrindo. Vivíamos o scherzo que antecede o movimento final da nossa sinfonia. 

Continua após a publicidade

Parecia, então, improvável. Mas a verdade é que a separação só foi possível por isso. Estávamos inteiros o suficiente para desagarrar dos medos que sustentavam a nossa relação. Conseguíamos olhar um para o outro com ternura e olhar para nós mesmos com o mesmo afeto. Separar-se é, com frequência, um ato de amor próprio. Uma aposta em si mesma e na vida. É, aí sim, reacender uma imensa vontade de ser e estar no mundo.

Nos separamos. E embora esteja contida nessa palavra a pausa, também há nela o amor em primeira pessoa do singular. Um amor intransitivo. Um amor como estado de espírito. E foi assim que me senti quando nos despedimos. É assim que me sinto um mês depois.

Nosso quarto movimento revelou tudo que nutrimos ao longo de 8 anos. Um grand finale à altura do amor e respeito que construímos a quatro mãos. Um fim que honra tudo que fomos e tudo que agora podemos ser.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.