Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sofia Menegon Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Sofia Menegon é feminista, idealizadora da podcast Louva a Deusa e consultora em relacionamento e sexualidade
Continua após publicidade

Nenhum relacionamento é um só

Independente dos moldes relacionais ou de como decidamos lidar com os nossos afetos, nenhum relacionamento parte do zero

Por Sofia Menegon
28 jul 2023, 10h28

João amava Teresa, que amou um dia Raimundo que também amava Maria, mas não havia esquecido Teresa. Maria amava Joaquim, que amava João, que seguia machucado porque Teresa foi para o convento. Maria escolheu seguir amando a si mesma. Mas todos carregavam consigo os amores de outros carnavais.

Há quem tenha medo de voltar a se relacionar depois de um término conturbado. Há quem engate uma relação na outra. Independente dos moldes relacionais ou de como decidamos lidar com os nossos afetos, nenhum relacionamento parte do zero. Nenhuma relação que seja começa livre de gatilhos, memórias, traumas de relações antigas. Dizer o contrário é mera ilusão.

“Mas eu não sou seus exes”, exclamou minha namorada em uma discussão qualquer, dia desses. Ela, de fato, não é. Mas eu sigo sendo a pessoa que se relacionou com os meus exes e que, agora, se relaciona com ela. O que eu vivi não desapareceu do dia para a noite. Os hábitos que desenvolvi para dar conta das relações antigas, também não. Nem os medos, as preocupações, as respostas automáticas. E, ainda que eu tenha feito terapia, ainda que tenha processado, refletido, mudado, a minha história segue aqui. Ainda bem que sim. Imagina perder essas tantas páginas de vida. Essas tantas descobertas sobre mim mesma.

Não dá para resetar nosso histórico romântico afetivo e sequer seria recomendado, salvo algumas poucas exceções, talvez. Lidar com essa bagagem, abri-la para ver por dentro, analisar o conteúdo com discernimento, no entanto, é parte do relacionar-se com maturidade. Dizer com coragem “isso me machuca porque toca nessa ferida” é autorresponsabilidade afetiva. Ouvir, acolher e pensar em saídas respeitosas é responsabilidade afetiva com o outro.

Não é possível amar sem que sejamos responsáveis. Não é possível se relacionar sem abrir-se para a malinha que vem junto, com o acumulado das outras relações. Só assim, João, Teresa, Maria, Joaquim, Raimundo, Lili e até J. Pinto Fernandes, que nem tinha entrado para a história, podem amar por inteiro.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.