Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Conversa de Vó Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Natália Dornellas é jornalista, podcaster e ativista da longevidade. Procura por avós e avôs para prosear e histórias de #avosidade para contar. É criadora do podcast Conversa de Vó e cofundadora da plataforma 40+ AsPerennials
Continua após publicidade

O esquecimento de Esmeralda

Neta resgata história de avó, antes que tudo se apague

Por Natalia Dornellas
29 ago 2022, 10h57

Hoje vamos conhecer um pedacinho da história recente de Dona Esmeralda Maria de Jesus, 89 anos. Ela vive em Volta Grande, zona Rural de Guapé, Minas Gerais, e é avó da fotógrafa Lucí Sallum, cujas imagens reforçam meu mantra de que a velhice pode ser bela.

O relato que vem a seguir é da própria Lucí, que vive longe da avó e enxerga o projeto com uma espécie de homenagem e um resgate familiar.  

Dona Esmeralda
Quando a avó começou a apresentar sinais de demência, Lucí começou a registrá-la em fotos e vídeos. (Lucí Sallum/Divulgação)

“Há aproximadamente 4 anos, ela começou a ter sinais de demência senil e passou um tempo em Belo Horizonte para tratamento. Como ficou na casa de uma das filhas, eu pude acompanhá-la mais de perto. Foi neste momento que resolvi registrá-la em fotos e vídeos, porque sempre tivemos um carinho grande uma pela outra. Devido à demência ela começou a repetir algumas histórias engraçadas, e eu sempre pedia para ela contar novamente, ficávamos rindo. Na mesma época, comecei a estudar fotografia e ficava testando com ela. O que se parecia um estudo, na verdade era um resgate de quem ela era e, também, uma despedida, porque eu sabia que essas memórias não durariam mais,  ficávamos dias inteiros conversando sobre vários assuntos da infância e juventude dela, das histórias da nossa família e sobre a percepção que ela tinha de tudo.

Ela sempre foi muito engraçada e as respostas sempre me faziam dar gargalhadas. Tem um episódio que ela sempre repetia, quando via minhas tatuagens e dizia que iria tirá-las com soda cáustica. Em seguida, ela falava: ‘Imagina você lá no médico tendo filho’ e, imitando o sofrimento do parto, ponderava sobre meu corpo nu rabiscado. Neste momento, eu pensava que era engraçado como a nudez para ela era uma questão e que ela só se colocaria de frente a uma pessoa estranha e vulnerável se fosse em um parto.

Continua após a publicidade

Ela dizia sobre um amor antigo, perdido para a melhor amiga. Dizia sobre como não compensou correr atrás do amor do meu avô. Relembrava todos momentos de tensão que ela guardava atrás de uma capa de sobrevivência na roça, sempre muito forte e decidida para enfrentar o mundo que viesse pela frente. Repetia o nome e a importância de cada um dos oito filhos como se tentasse não esquecê-los. Todas estas questões me fizeram refletir muito sobre a construção do eu, a existência da personalidade através da memória, sobre velhice e tempo, sobre tantas camadas que existem num corpo sagrado e como nossa sociedade ignora os mais velhos.”

esmeralda
Fotos ganharam um Instagram próprio, uma linda homenagem para dona Esmeralda. (Lucí Sallum/Divulgação)

Hoje dona Esmeralda, que ganhou um perfil-homenagem no Instagram (@o_esquecimento_de_esmeralda), está na roça sendo cuidada por um dos filhos e sua esposa. Não conversa mais e não tem memórias ativas, apesar de o corpo seguir em movimento. 

Em função da Covid, a Lucí não pode continuar se encontrando com a avó e hoje só a vê quando vai para Guapé. “O distanciamento foi me deixando triste e não acessá-la é um desconforto, porque o lado traquino e debochado dela não existe mais”, lamenta.

Continua após a publicidade
dona Esmeralda
Hoje, dona Esmeralda não conversa mais e não tem memórias ativas, apesar de o corpo seguir em movimento. (Lucí Sallum/Divulgação)

Ainda segundo Lucí, o start para este trabalho, que lhe traz muitas dúvidas sobre até que ponto pode e deve expor uma pessoa que “não está presente” veio de uma conversa com a artista Aline Motta, cujo trabalho de resgate de ancestralidade é importantíssimo. “Ver o trabalho dela me fez ver o quão importante são as histórias que nos constroem”, finaliza Lucí.

Para ver mais histórias com esta e acompanhar minha “curadoria de avós e avós”, acesse  nataliadornellas.com.br ou @nataliadornellas, no Instagram. Ah, e se conhecer personagens que mereçam ter suas histórias contadas a plenos pulmões, me deixe saber.   

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.