Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Roberta D'Albuquerque

Por Maternidade
Roberta D'Albuquerque é psicanalista e autora do livro Quem manda aqui sou eu - Verdades inconfessáveis sobre a maternidade
Continua após publicidade

Overparenting? Eu?

Pergunta incômoda: qual é a linha que delimita a necessidade de proteção da criança e a nossa necessidade de estar no papel de protetor? Ui!

Por Roberta D'Albuquerque
10 Maio 2017, 16h39

Quanta maternagem é “maternagem demais” pra você? Atenção para a pergunta: termina com pra você. Sim, porque a quantidade de energia que sua irmã, sua amiga ou sua colega de trabalho colocam nessa função diz respeito a elas, a família e aos filhos delas, certo? Só pra ter certeza que estamos todos na mesma página (piscadinha).

Mas pra você, de verdade verdadeira, bate aquela dúvida se está indo longe demais em uma preocupação? Se a dificuldade do seu filho em se enturmar com os alunos da classe nova (na primeira semana de aula) deveria mesmo tomar 98% dos pensamentos do seu dia? Mais do que isso, seria você a responsável por fazer dele a criança mais querida, a mais solicitada da sala? É mesmo necessário que ele seja o mais querido e o mais solicitado? Ele quer ser assim?

Você para pra pensar se o prato do almoço deixado ainda cheio, meia hora depois de almoço começar, é caso de nutricionista? De pediatra? De psiquiatra? Ou de uma mãe um tantinho formiga na hora das escolhas do supermercado? É caso de dar colher por colher na boca da criança de uma vez e garantir a nutrição antes de qualquer outra coisa?

Foi culpa sua (certeza mesmo?) a nota baixa de matemática? Deveria ter lembrado da lição? Ter comprado uma calculadora? Pensado em aulas extras? Seria preciso pedir revisão de notas?

Continua após a publicidade

Lisa Firestone em artigo do Psychology Today nos lembra que quando assumimos que uma criança precisa de mais controle/atenção do que ela precisa, subestimamos as suas habilidades e comprometemos sua segurança no ‘próprio taco’.

Sim, cuidar da saúde, da educação e do bem-estar de nossos filhos é nossa responsabilidade. Nenhuma dúvida quanto a isso. A questão aqui é: até que ponto a nossa dificuldade de deixar a criança livre para explorar o mundo a sua volta, errar, acertar, entender as consequências de suas escolhas, atrapalha o seu desenvolvimento?

No mesmo artigo Firestone lança a pergunta incômoda: qual é a linha que delimita a necessidade de proteção da criança e a nossa necessidade de estar no papel de protetor? Ui!

Continua após a publicidade

Só para continuar pensando, atenção ao questionário publicado pelo The Telegraph:

  1. Você se pega dizendo ‘nós’ quando se refere a alguma realização de seu filho?
  2. Quando escuta a criança conversando com outro adulto, responde por ela antes que ela o faça?
  3. Faz por seu filho, coisas que ele já sabe fazer? Como amarrar o sapato ou escovar os dentes?
  4. Se responsabiliza por atitudes dele (como derrubar o suco na mesa, por exemplo) para que ele não se sinta culpado?

Pois é… Tentar, errar, explorar possibilidades ainda são caminhos eficientes para aprender, certo? Para nós e para eles. Quanta maternagem é “maternagem demais” pra você?

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.