Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Kika Gama Lobo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Atitude 50
Focada na maturidade como plataforma pessoal, a jornalista Kika Gama Lobo escreve sobre as sensações e barreiras que as mulheres de 50 anos vivenciam
Continua após publicidade

Minha nudez é sua, Jabor: uma carta de despedida

Um adeus ao diplomata, jornalista, cineasta e cronista que nos conquistou

Por Kika Gama Lobo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
16 fev 2022, 07h27

Eu te amo Arnaldo. Ah!  Que lástima a sua partida, Arnaldo Jabor. Fiquei sem chão. Sou de excessos, então não se espante se essa crônica for intensa mesmo sem ter tido com você um amor de berço. Aprendi a gostar de você ao longo da vida. Eu, vez por outra esbarrava em sua obra dentro da minha casa. Prateleiras que traziam seus livros. Buscava, no tédio da pandemia, antigos filmes seus. Estava sempre dando de cara com sua verve feminina.

Ah, você pode ter sido diplomata, jornalista, cronista, cineasta, mas acho que seu maior talento era conhecer-nos. Uma espécie de templo de Delfos, onde no pórtico do seu coração está escrito com sangue: eu conheço as mulheres e assim me conheço. Uma autofagia do ser. Você parecia canibalizar nossos sentimentos e se nutrir da vida das mulheres para seguir errando. Sim, você mostrou o exílio de nossas mentes. Vagamos com você em seus filmes, contos, falas e textos. Éramos putas e santas. Mocinhas e bandidas. Escrotas e fofas. Você deve isso ao Nelsinho, né.

Seu bebedouro tinha nome e sobrenome: Nelson Rodrigues. Juntos fizeram misérias maravilhosas. Quando li o seu obituário, mandei um ‘zap’ para uma amiga fogosa na certeza de que ela me diria o quanto estava triste. Disse mais. “ Kika, me arrependo de não ter dado para o Jabor”. Isso diz muito da nossa gratidão.

Queríamos todas, ou pelo menos a grande maioria, ter deitado com esse homem e misturado salivas com lágrimas, esperma com suor. E num balé de corpos, dançaríamos a exaustão o nosso Bolero de Ravel em sua repetida orquestração melódica até atingir o clímax. E, parafraseando você, o problema do sexo é que ele pode virar amor e o problema do amor é que ele poder virar amizade. No meu caso, você será sempre um grande amigo. Vai em paz.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.