Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Ana Claudia Paixão

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A jornalista Ana Claudia Paixão (@anaclaudia.paixao21) fala de filmes, séries e histórias de Hollywood
Continua após publicidade

Por que não conecto com Galadriel de “Anéis do Poder”?

A elfa é uma heroína ímpar, mas tem despertado forte rejeição do público, incluindo o feminino

Por Ana Claudia Paixão
7 out 2022, 09h41

Li O Senhor dos Anéis há muito tempo e amei a trilogia feita por Peter Jackson para o cinema. Na época, houve um problema com a personagem Arwyn, de Liv Tyler. É que nas páginas do livro ela tem uma conexão telepática forte com Aragorn (Viggo Mortensen), mas não vai para campo de batalha como Éowyn (Miranda Otto). Porém, no primeiro longa, por exigência do estúdio, foi preciso incluir uma cena (espetacular, por acaso) dela sacando a espada e enfrentando os Nazgul. Os puristas odiaram e perseguiram a atriz, a apelidando de “Xena”.

A partir do segundo, filme Peter Jackson conseguiu recuperar a essência da personagem como foi criada por J. R. R. Tolkien e tudo voltou ao “normal”. O que ficou como trivia foi que a batalha para decifrar o empoderamento feminino ainda esbarrava com o conceito binário de força física ser mais heroica do que a psicológica. Ambas não tinham o mesmo peso. Na trilogia do cinema, Galadriel foi vivida por Cate Blanchett e é uma elfa tão poderosa como evoluída. Já na série O Senhor dos Anéis – Anéis do Poder, da Amazon Prime Video, é Morfydd Clark que dá vida à personagem e a conhecemos muito jovem e diferente da “adulta”. Para a surpresa dos que não leram os livros – ela é impetuosa, vingativa e complicada. Desculpem, mais do que isso. Em geral, ela é insuportável.

galadriel
Parece que quando a mulher é herói, “precisa” perder empatia, ser agressiva e inconsequente. (Prime Video/Divulgação)

Galadriel está sendo apresentada como a heroína da saga, a mulher que sabe mais do que os homens, luta melhor do que eles e é uma líder focada. No entanto, não se relaciona com ninguém que não seja útil para vingar a morte de seu irmão. Ninguém mesmo, não é forma de dizer. Pior, parece sempre humilhar os outros lembrando sua “superioridade”. É a mulher tóxica que primeiro humilha a pessoa e depois demanda falar com o gerente, sabe? A personagem é completamente desconectada de (quase) todos, o que me faz me sentir culpada, porque ela era para ter a nossa torcida, mas só nos irrita.

Galadriel não está sozinha no problema: parece que quando a mulher é herói, “precisa” perder empatia, ser agressiva e inconsequente. Não concordo com esse exemplo subliminar que vem ganhando fôlego nas séries e nos filmes. Quando estiver lendo essa coluna, um novo episódio estará na plataforma, mas a vimos antes disso surpresa como todos, ao ver a explosão do vulcão, mas diferentemente das pessoas ao seu redor, que estavam tentando se ajudar para sobreviver, Galadriel ficou parada, em slow motion, esperando ser engolida pela fumaça. Salvar vidas não está na sua lista de prioridades, apenas matar Sauron.

Continua após a publicidade
galadriel os anéis do poder
Galadriel durante a explosão do vulcão. (Prime Video/Divulgação)

Quando comentei meu sentimento em redes sociais encontrei mais vozes de apoio do que pessoas me ajudando a revisar minha rejeição à Galadriel. O fenômeno, pelo que parece, é mundial. E não é que ela seja anti-heroína, Galadriel é o principal nome dessa fase da história, com protagonismo que confere à série uma personagem feminina forte. Bronwyn (Nazanin Boniadi) dá de mil e não tem de longe o mesmo prestígio.

A narrativa escolhida para Galadriel, que parece que ainda passará por um arco de humildade, é além da série. Já falei aqui que, em geral, as heroínas acabam infelizes no amor e apresentadas como mais agressivas do que capazes de lutar. Quantas heroínas do cotidiano são fortes sem precisar perder a conexão com as pessoas? Inúmeras! Aliás, a força do heroísmo feminino sempre esteve na ênfase da empatia, tirar isso das mulheres é errado. Sofro para gostar de Galadriel, mesmo com toda noção do que está acontecendo. A ver como ela se “modifica” sem perder a força. Quero muito ainda me conectar com ela.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.