Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Confira o significado das cores na decoração e veja como combiná-las

Arquiteta Isabela Nallon indica como usar as cores a seu favor na decoração e explica qual o melhor método de harmonização. Vejas as fotos

Por da Redação Atualizado em 25 nov 2020, 16h29 - Publicado em 24 nov 2020, 15h30

As cores das paredes, dos móveis e dos objetos dos ambientes são o ponto central da decoração de quarto ou de uma casa e têm o poder de transformar a energia dos cômodos. Além de definir o estilo de um lugar, um dos princípios defendidos pelos cromoterapeutas é que as cores podem promover a sensação de bem-estar, se bem harmonizadas, é claro.

Segundo a arquiteta Isabella Nalon, não existe, porém, um tom certo para cada ambiente já que o efeito das cores num indivíduo é totalmente variável de acordo com suas experiências e vivências. “O que existe é o que a pessoa precisa e busca. O que faz ela se sentir bem? O que está faltando na vida dela? E dentro disso buscar a cor que vai atender melhor seus propósitos”, recomenda.

Algumas qualidades, no entanto, são inerentes a cada tom. Confira como utilizar as cores a seu favor na decoração:

Branco:

É uma tonalidade capaz de ampliar espaços e de trazer luminosidade. Promove a sensação de paz,  ressalta limpeza, é associada a estabilidade, simplicidade, ordem e organização. Não precisa ser a cor predominante e uma grande vantagem é que combina com todas as outras.

Branco: uma qualidades é ressaltar a limpeza do ambiente Julia Herman Fotografia/Divulgação

Preto:

É um tom neutro e versátil, como o branco, só que causa muito mais impacto.  Ao contrário do branco, o preto dá a impressão de diminuir o espaço, transformando um local amplo em um ambiente mais íntimo e aconchegante.  Mas, é uma cor que deve ser usada com parcimônia. “Quando usada em excesso, a decoração pode ganhar um ar de mistério ou de medo”, diz.

Preto: cor dá um clima mais intimista Julia Herman Fotografia/Divulgação

Vermelho:

Também é forte e pode deixar o espaço bem aconchegante. É bastante indicada para aquecer o ambiente, deixá-lo mais convidativo e caloroso, segundo a arquiteta.

quadro vermelho
Vermelho: cor é boa para aquecer o ambiente Julia Herman Fotografia/Divulgação

Azul:

É uma cor com efeito oposto ao vermelho, já que tem a qualidade de dar mais frescor e leveza ao ambiente. Também é associada à calma e ao relaxamento.

geladeira azul
Azul: traz mais frescor ao decór Julia Herman Fotografia/Divulgação

Amarelo

É uma cor quente e estimulante e que pode ser utilizada em ambientes com pouca incidência de luz natural.  Pode ajudar na criatividade e ter o efeito de expandir a sensação de otimismo.

cozinha amarela
Amarelo: estimulante, cor é boa para aumentar o otimismo Julia Herman Fotografia/Divulgação

Verde

Continua após a publicidade

É uma cor boa para promover a concentração e trazer mais equilíbrio. Também está associada à saúde e é símbolo da pureza.

varanda verde
Verde: é associada à saúde e à pureza Julia Herman Fotografia/Divulgação

Rosa

Principalmente os tons mais claros são ligados a calma, pureza e inocência, e talvez por isso seja uma cor bastante utilizada em quartos de bebê.

quarto de bebê rosa
Rosa: cor é bastante usada em quartos de bebês por dar sensação de calma Julia Herman Fotografia/Divulgação

Laranja

Tem o efeito contrário do rosa, pois é uma cor altamente estimulante e calorosa. Deve ser utilizada com cuidado, sem exagero. “Pela sua força, esse tom pode ser aplicado em objetos de decoração ou alguns móveis”, explica.

almofada laranja
Laranja: uma cor quente altamente estimulante Julia Herman/Divulgação

Veja a melhor técnica para harmonizar as cores das paredes

O ideal é utilizar o círculo cromático que traz 12 cores divididas por tonalidades e classificações. Para conseguir entender o esquema, é importante ter algumas noções básicas de classificação de cores:

círculo cromático
Círculo cromático: utilize como um aliado na hora de harmonizar as cores nos ambientes imagem/Reprodução

Cores primárias: vermelho, amarelo e azul são as cores de que se originam todas as outras.

Cores secundárias: laranja, verde e roxo são as cores resultantes da mistura das cores primárias.

Cores terciárias: são as seis cores possíveis de serem criadas a partir da mistura das secundárias e primárias.

Cores quentes: vermelho, amarelo, laranja e rosa.

Cores frias: azul, verde e roxo.

Cores neutras:  branco, preto e cinza servem de base para combinações.

“Ao utilizar uma cor primária e outras duas ‘vizinhas’, ou seja, listadas em sequência no círculo cromático, temos a combinação análoga”, explica Isabela. Uma das cores vai sempre dominar o cenário, assim não vai haver contraste.

 As complementares são cores opostas no círculo quando associadas. É o que ocorre quando há a mistura de tons frios e quentes. “Como chamam muita atenção, recomendo eleger uma delas como destaque. Desse modo, uma será dominante e as outras ficam com o poder de ressaltar detalhes”, explica.

Uma outra combinação possível é a monocromia que aposta em variações de tonalidades dentro da mesma cor. É um jeito fácil de harmonização de que a maioria das pessoas gosta, segundo a arquiteta.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade