CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Quer começar a investir em 2022? Saiba por onde começar

Apesar da insegurança do cenário internacional, é possível fazer o seu dinheiro render de forma segura. Nathália Rodrigues, do Nath Finanças, explica como

Apresentado por: btgpactual | Atualizado em 22 mar 2022, 12h47 - Publicado em 23 mar 2022, 08h00

Apostamos que você já cogitou alguma forma de fazer o dinheiro extra render. O problema é que, muitas vezes, o assunto “finanças pessoais” parece um bicho de sete cabeças para aqueles que não tiveram educação financeira em casa ou na escola (aka, quase todo mundo). Mas, antes de investir, é necessário dar um passo para trás e entender qual é o seu perfil: você está disposta a arriscar logo de cara ou prefere começar com algo mais tranquilo? Os seus objetivos devem acontecer a curto ou a longo prazo? Essas perguntas são essenciais para escolher o caminho que contemple melhor suas necessidades. A seguir, a orientadora financeira Nathália Rodrigues, fundadora do Nath Finanças, desmistifica o assunto e dá dicas valiosas para quem quer dar um up na carteira.
Apesar da insegurança do cenário internacional, é possível fazer o seu dinheiro render de forma segura.

Definindo metas de investimento e perfil de investidor

“O primeiro passo é entender o que você quer fazer com o dinheiro investido. Você irá viajar? Comprar algo legal? Existem investimentos a curto, médio e longo prazo. Entenda em quais desses prazos os seus desejos se encaixam”, explica Nathália.

Investimentos a…

Curto prazo: Metas que você quer atingir em até 12 meses.

Médio prazo: Metas para alcançar daqui dois ou três anos.

Longo prazo: Metas que duram ao menos cinco anos.

Agora, está na hora de pensar no seu perfil:

“Existem três perfis: O conservador, que é aquela pessoa que não quer perder um centavo sequer. Já o moderado aceita os riscos mas não quer ser tão radical. E o agressivo são aqueles investidores que não possuem medo de perder grandes quantias.”

Renda fixa

A renda fixa é essencial para quem possui um perfil conservador. “O nome já diz tudo: O rendimento do que você irá ganhar por deixar o seu dinheiro guardado é fixo, sem variações”, esclarece Nath. Nesta área, você encontrará opções como:

Tesouro Selic: Nele, você empresta dinheiro para o governo e ele te devolve posteriormente com juros.

CDB (Certificado de Depósito Bancário): Investimento em que você empresta dinheiro para o banco e ele também lhe devolve com juros.

CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários): Títulos de crédito nominativos que têm isenção de IR para pessoas físicas.

Continua após a publicidade

CRA (Certificado de Recebimento do Agronegócio): Investimento em projetos de agronegócio que também são isentos de IR para pessoas físicas.

LCI (Letras de Câmbio Imobiliário): Investimento para apoiar o financiamento imobiliário.

LCA (Letra de Crédito do Agronegócio): Investimentos que contemplam o agricultor.

“Com os títulos de renda fixa, você normalmente empresta dinheiro, tem uma rentabilidade definida e as entidades te devolvem a quantia investida com juros”, diz. Porém, a fundadora do Nath Finanças alerta que a área também traz riscos.

“Imagine que você investiu no Tesouro IPCA, que está atrelado à inflação do Brasil. Se a inflação estiver alta, o IPCA irá subir, e quem deixou o dinheiro guardado ali vai sair no lucro. Mas, caso a inflação esteja baixa – ou até negativa, em casos de deflação –, você também pode perder a sua grana”, exemplifica.

Outro perigo está em retirar o dinheiro antes da hora. “Pense que você guardou num CDB e definiu que iria retirar a quantia após um ano. Porém, algo acontece e você precisa dele antes do prazo. Nesse cenário, as pessoas perdem aquele rendimento pré-definido”, continua. Entretanto, a especialista reitera: ao investir em renda fixa, corremos o risco
de perder a rentabilidade, não o dinheiro investido.

Dica importante:

Alguns investimentos de renda fixa, especialmente o Tesouro Selic, são boas opções para quem deseja fazer uma reserva de emergência, já que possuem liquidez diária. Isso significa que podemos retirar o dinheiro a qualquer hora, e o lucro vai automaticamente para a nossa conta. Tesouros pré-fixados também são atrativos, pois permitem que o investidor saiba exatamente quanto irá ganhar desde o início.

Renda variável

Aqui, você está apostando em empresas e comprando ações. “Ao investir na bolsa de valores, nos tornamos sócios de uma pequena parte de determinada companhia. Esperamos que ela cresça ainda mais para nos devolver o famoso dividendo”, esclarece.

“Quando a empresa gerou lucros, ela precisa devolver o seu dinheiro com o dividendo. Isso pode acontecer de forma trimestral ou anual, depende do lugar.” Contudo, vale lembrar que investimentos em renda variável são bem mais arriscados: “A empresa é volátil, e pode ter os lucros afetados por decisões internas e externas. Um exemplo é a pandemia, que afetou profundamente o mercado da bolsa de valores”, afirma.

Além de se adequar a perfis moderados e agressivos, a renda variável também é indicada para quem tem planos a longo prazo. “Eu não espero que a empresa cresça em apenas três ou seis meses. Como escolher a certa? Dê preferência à corporações sólidas, que estão há anos no mercado. Não invista em empresas envolvidas em crimes ambientais ou que tenham passado por escândalos de corrupção”, indica. Agora é com você!

Continua após a publicidade

Publicidade