Tudo que você precisa saber sobre Squirting

Descubra qual a diferença desse líquido para a lubrificação natural feminina

Hoje é dia de falar de um assunto que tem me rendido muitas perguntas das leitoras e das minhas alunas: o tal do Squirting. Algumas meninas comentaram que já viram isso em filmes pornôs principalmente, e surgiram várias dúvidas. Por isso, na coluna de hoje eu vim esclarecer tudo sobre o assunto.

Lubrificação x Orgasmo x Squirting

O termo Squirting vem do verbo inglês esguichar e, em português, é conhecida como a ejaculação feminina. Mas qual a diferença para a Lubrificação e o Orgasmo?  

Bom, a lubrificação feminina tem algumas origens. Primeiro, o colo do útero produz um muco que facilita a deixar o canal mais lubrificado. Segundo, quando nós estamos excitadas, a circulação sanguínea ao redor da parede vaginal aumenta, aumentando a circulação, e parte desse plasma também se transforma em lubrificação – daí a importância do Pompoarismo ;).

E terceiro, parte dessa lubrificação vem de duas glândulas que ficam dentro do canal vaginal. Quando essas glândulas estão cheias de líquido e a mulher têm uma contração, esse líquido jorra de uma vez só, é quando ocorre o Squirting. Porém, segundo alguns estudos científicos, isso acontece em média só com uma a cada dez mulheres.

Mas Cátia e o que acontece com o restante das mulheres? Bom, esse líquido não fica preso dentro da glândula, ele vai saindo durante toda a transa de uma forma natural. Então aquilo que muitas vezes vemos nos filmes pode muito bem ter sido forjado. O líquido é inserido dentro da vagina em um recipiente e a mulher que é pompoarista consegue espirrar o líquido.

Uma coisa importante a dizer é que ter orgasmos intensos não quer dizer que você terá um Squirting. Pode ser que você tenha vários orgasmos e o líquido vai sendo liberado ao longo do sexo.

Vai embora não! Aproveita e passa pra conhecer meu site e se inscrever no meu canal

Leia mais: Pompoarismo: guia para você começar

Relacionamento abusivo: saiba se você está em um no podcast Senta Lá, CLAUDIA