Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês
Diário De Uma Quarentener Juliana Borges é escritora, pisciana, antipunitivista, fã de Beyoncé, Miles Davis, Nina Simone e Rolling Stones. Quer ser antropóloga um dia. É autora do livro “Encarceramento em massa”, da Coleção Feminismos Plurais.

Hoje, sou puro ressentimento

Sabe aqueles planos que foram por água abaixo com a pandemia? A escritora Juliana Borges fala sobre a frustração pelo motivo e cenário atual

Por Juliana Borges - Atualizado em 23 jun 2020, 19h20 - Publicado em 23 jun 2020, 18h52

São Paulo, 23 de junho de 2020

Me desculpem, mas hoje sou puro ressentimento. Não é por mal e é por uma coisa fútil. Mas eu tenho meus dias de futilidade e mereço tê-los. Quer dizer, é e também não é fútil. Porque também era oportunidade profissional.

Me dei conta no domingo e apertou mais hoje, ao lembrar que eu estaria em Paris. Ah, que momento mais “white people problems”. É. Mas seria importante para mim. Um seminário incrível sobre Justiça, Feminismos e Democracia estaria acontecendo nesse momento, reunindo pesquisadoras e ativistas de vários continentes. A ida não seria fácil, porque o euro já estava e ainda está pelas tampas. Mas a oportunidade de realizar intercâmbio de saberes, trocas sobre pesquisas e estratégias de ativismo seria incrível.

Mas, como disse, hoje, eu sou apenas rancor. Por uma pandemia que acontece devido à ação violenta do homem em sua relação com a natureza. Por uma pandemia que já tirou mais de 50.000 vidas brasileiras quando muitas poderiam ser evitáveis se tivéssemos ações concretas e sérias pela vida e não uma política de morte legitimada e ocupante do Palácio do Planalto. Há quem diga que são coisas da vida. Não são. Médicos tendo de escolher quem usará um respirador não é uma adversidade da vida. É fruto da ausência de políticas que, se não começaram hoje, estão sendo aprofundadas agora com escárnio diante de milhares de famílias que sequer os rituais de luto e despedida estão podendo fazer.

Continua após a publicidade

Sim, meu ressentimento primeiro, a vontade de viajar, é fútil. É uma adversidade absolutamente contornável, que é resolvida com um adiamento de encontros, com cancelamento de reservas ainda em tempo, com projeções futuras positivas. Mas o ressentimento sobre como chegamos nesse cenário, em que choramos vidas e mais vidas todos os dias… esse vai demorar a passar. Esse, eu sequer sei se um dia vai passar.

Acompanhe o “Diário De Uma Quarentener”

Em tempos de isolamento, não se cobre tanto a ser produtiva:

Publicidade