Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês
Kika Gama Lobo Por Atitude 50 Focada na maturidade como plataforma pessoal, a jornalista Kika Gama Lobo escreve sobre as sensações e barreiras que as mulheres de 50 anos vivenciam

Vou encher sua boca de…

Precisamos de tudo, menos de correção

Por Kika Gama Lobo - Atualizado em 26 ago 2020, 17h14 - Publicado em 26 ago 2020, 19h00

Palavras doces. De beijos. De brigadeiro. Serve uma cereja em calda. Serve toda delicadeza que houver nesta vida, mas não serve porrada. Já levamos tantas. Todos os dias e ainda temos que tomar uma traulitada cívica? Não estou gostando do rumo das coisas. Gripezinha, recessão e agora pancada pró-censura? Cala boca já morreu né. Mas foco meus pensamentos na maturidade, terreno que caminho ainda com certa destreza antes que a artrose me atropele.

Quantas vezes nos pediram, ao longo de nossa meninice e juventude, para sermos menos? Acanharmos-nos porque estávamos sendo alegres demais, sexies demais, verborrágicas demais. Não pode dançar assim. Que modos são esses. E essa maquiagem? Olha o tamanho do biquíni. Vai ficar falada. Lembra-se dessa frase? Ai como eu quero ficar falada. Sempre quis. Apesar de assessora de imprensa – acostumada a badalar o ego dos outros – sempre tive voz. E nunca foi baixa. Mas sei lá, com esse podre astral (leia-se pandemia) eu dei uma calada. Fiquei com vergonha de ser muito. Muito revolucionária, muito ativa, muito pulsante enquanto pulmões estavam comprometidos em UTIs superfaturadas.

Precisamos de tudo, menos de correção. Que gente é essa que se acha a régua correta da matemática da existência? Uns babacas diriam bem rasamente. Tô querendo dar uma desbundada e ao primeiro acorde do sol da vacina, vou ser um misto de Dercy com Hebe – potente combinação de escracho com audiência. E coloco no mesmo saco Elke Maravilha, Anitta, Rogéria, Leila Diniz, Fafá de Belém, Teresa Cristina, Alice Caymmi. Vou roubar suas sílabas e fazer um mix de sons libertários, enchendo minha boca de palavras que eu mesma gostaria de falar.

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

 

Continua após a publicidade
Publicidade