Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Para Bobbi Brown, uma revolução profissional aos 60 anos é possível

A empresária relembra como foi deixar a marca que leva seu nome para apostar numa abordagem holística de beleza

Por Isabella Marinelli - Atualizado em 31 ago 2020, 12h35 - Publicado em 31 ago 2020, 16h30

Em 2016, a maquiadora Bobbi Brown anunciou que estava deixando sua marca homônima, parte do conglomerado da The Estée Lauder Companies, após 25 anos à frente dela. A Bobbi Brown Cosmetics se tornara referência em maquiagem natural muito antes do assunto virar pauta nas redes sociais. Brown chegou a relatar em entrevistas que estava cansada de tanto batom vermelho, por isso desenvolveu uma linha própria, pautada no frescor da beleza e da autoconfiança de cada mulher. Foi assim que seu nome tornou-se conhecido, símbolo de produtos fáceis de usar e com resultados longe dos excessos.

Nascida em Chicago, Illinois, nos Estados Unidos, ela se formou no Emerson College em Boston com um diploma em maquiagem teatral e fotografia. Então, partiu para Nova York nos anos 80 com o objetivo de trabalhar como maquiadora profissional. Quando estava na cidade, tentou de tudo para emplacar seu sonho. Chegou a abrir listas telefônicas e ligar de número em número, para agências e fotógrafos, pedindo oportunidade, até que conseguiu seu primeiro trabalho num ensaio para a revista norte-americana Glamour.

Cerca de dez anos depois, em 1990, já estabelecida na área, Bobbi se associou com um químico para criar dez tons naturais de batom. No cenário da época, havia muito brilho e contornos de todo o tipo, algo que em nada se parecia com o estilo que gostava. Então, em 1991, lançou suas cores sob o nome de Bobbi Brown Essentials na Bergdorf Goodman. Os 100 tubos que esperava vender em um mês foram embora em um dia. Em 1995, já com outros cosméticos no portfólio, a marca foi comprada pela Estée Lauder Companies e Bobbi seguiu na direção criativa. Avançando o filme para 2012, os cosméticos dela já representavam aproximadamente dez por cento das vendas totais do grupo e, em 2014, já tinha quase 30 lojas independentes pelo mundo.

Mas se o sucesso era tamanho, por que não seguir o caminho previsível e continuar ampliando os negócios em vez de partir para novas empreitadas? “Eu estava pronta para ser totalmente criativa e empreendedora novamente. Não fazia ideia de como minha vida seria, mas meu nono livro me mostrou a beleza através de uma lente de bem-estar, pela qual sou mais apaixonada”, conta a CLAUDIA. Ela bateu um papo com a gente sobre autocuidado, as imagens distorcidas pelos filtros das redes sociais e a revolução das mulheres em seus 60 anos.

Bennett Raglin/WireImage/Getty Images

Você começou sua marca criando uma linha “no makeup makeup”, que destacava a beleza natural da mulher em vez de camuflá-la. O que você acha que esse conceito significava para as mulheres naquela época?
A beleza natural não era adotada naquela época como é hoje. No início, as pessoas não entendiam. Eles queriam seus rostos pintados, não apenas as cores que aparecem naturalmente em suas peles. Apesar de tudo, sempre aprimorei meu estilo e, eventualmente, as pessoas que queriam um visual natural me ligavam. Muitas vezes na minha carreira senti que não era talentoso porque alguém queria o outro estilo de maquiagem. Mas agora, as pessoas adotaram a aparência natural, o que para mim significa que estão mais confortáveis ​​e confiantes em si mesmas.

Continua após a publicidade

Podemos ver um movimento de mulheres se abraçando como são, mas também temos uma obsessão por contornos e filtros do Instagram que mudam completamente nossos rostos. O que você acha desse contraste?
Não faz sentido para mim. Nunca fiz uma paleta de contorno e sofri muita pressão para isso. Para mim, uma pele bonita, saudável e brilhante tem a ver com umidade, hidratação e talvez um pouco de corretivo em uma mancha, não pintar o rosto. Na minha opinião, qualquer pessoa que esteja lidando com o desejo de mudar completamente sua face nas mídias sociais deve considerar o que está colocando dentro de seu corpo e as marcas ou produtos que os fazem amar a si mesmos, em vez de querer mudar.

Após mais de 20 anos na Bobbi Brown Cosmetics, você deixou a marca que fundou. Como foi essa transição? E por que você escolheu isso?
Já era tempo. Eu estava pronta para ser totalmente criativa e empreendedora novamente. Foi um choque e um alívio instantâneo que toda a angústia com a qual eu estava lidando se foi. Nos primeiros dias, bebi tequila com amigos e conversei sobre tudo. Eu não tinha ideia de como minha vida seria. Mas eu tinha um dom – eu tinha meu nono livro, Beauty From The Inside Out, para promover, que me mostrou e falou sobre beleza através de uma lente de bem-estar, pela qual sou mais apaixonada.

Você diria que as mulheres estão reinventando seus 60 anos?
Acredito que sim. Eu estou, e estou orgulhosa de mim mesmo por isso. Honestamente, acho que vai de mãos dadas com a forma como você se sente. Não se trata de sua aparência – esse é o segredo. Eu não entendia isso quando era mais jovem. Aos 60 anos, você sabe quem realmente é e pode realmente ir em frente.

Bennett Raglin/WireImage/Getty Images

O que você acha do desgaste do termo “autocuidado”? O que é autocuidado para você?
Se o termo “autocuidado” significa fazer com que as pessoas priorizem e amem a si mesmas, então eu sou totalmente a favor. Eu realmente acredito que olhar e sentir o seu melhor começa no interior com alimentos nutritivos, água suficiente, atividade física e sentimentos positivos. Para mim, o autocuidado é um experimento – estou sempre tentando coisas novas e vendo como meu corpo reage. Se for bom, vou continuar fazendo, e se não, vou parar e tentar outra coisa.

Você tem uma “linha de bem-estar inspirada em um estilo de vida” chamada Evolution_18. Em sua opinião, como a beleza e o bem-estar estão conectados?
Acredito que a beleza começa de dentro. Sendo maquiadora e especialista em beleza, as pessoas me contavam sobre os problemas que estavam tentando resolver com a maquiagem. Eu sempre me pegava perguntando: “Você bebe água o suficiente? O que você está comendo? Quanto você se exercita?”. Sempre entendi a conexão entre beleza e bem-estar, e realmente acredito que bem-estar, além do que você coloca dentro do corpo, são os maiores fatores para uma beleza sustentada.

Como você permanece criativa e inovadora?
Eu não estou com medo. Estou aberta a coisas novas e adoro experimentar. Eu tenho uma tonelada de ideias, mas nem todas são boas. Mas quando isso acontecer, vou descobrir como fazer. Eu sempre começo hesitante e continuo me perguntando como posso torná-lo melhor.

Continua após a publicidade
Publicidade