Clique e assine com até 75% de desconto

Cabelo e unhas: respondemos as dúvidas das nossas leitoras

A dermatologista Valéria Marcondes, de São Paulo, conta quais os melhores tratamentos para as leitoras

Por Fernanda Morelli Atualizado em 5 Maio 2017, 15h35 - Publicado em 29 ago 2016, 16h27

A dermatologista Valéria Marcondes, de São Paulo, esteve com a gente e explica tim-tim por tim-tim todas as curiosidades das leitoras. Veja as perguntas sobre cada tema:

CABELO

1. Meu cabelo começou a apresentar uma espécie de caspa. Tenho bastante queda de cabelo e o couro cabeludo coça bastante. O que pode ser? 

Isso no couro cabeludo pode ser uma dermatite seborreica, que realmente precisa de um acompanhamento de um Dermatologista. Isso porque o sebo e a oleosidade que ficam no couro cabeludo podem proliferar bactérias e fazer com que a flora bacteriana do local fique diferente, dando coceira, irritação e até levar a uma queda do cabelo. Existem shampoos específicos para controlar o problema. Você pode aplicá-lo no couro cabeludo e deixá-lo agir enquanto lava o resto do corpo, enxaguando depois. Opte por anti caspas e anti oleosidade, que ajudarão muito. Além disso, dê preferência a produtos com antifúngico na fórmula.

2. É verdade que babosa é bom para o cabelo? 

A babosa é a Aloe Vera. Os americanos usam muito a Aloe Vera como um creme antioxidante, calmante. Assim, é aplicado após o peeling, após irritação, para cicatrização, acalmando o local. A planta babosa possui uma espécie de gosma que pode ser aplicada no couro cabeludo para fortalecer os fios. O problema é que a pessoa pode ter uma reação alérgica. Assim, se for utilizá-la, lembre-se de lavar muito bem depois as mãos, a cabeça e o pescoço. Além disso, evitar tomar sol depois de usá-la, pois pode haver uma irritação.

3. Por que a dermatite seborreica não tem cura? O que realmente melhora a descamação no couro cabeludo?

A dermatite não tem cura porque é uma característica de cada um. Algumas pessoas tem mais oleosidade no couro cabeludo do que outras. Esse sebo favorece a proliferação de bactérias e essa microflora – que chamado de microbiota – altera o couro cabeludo, causando irritação, coceira, descamação.A dermatite é muito ligada ao lado emocional. Normalmente, pessoas mais tensas tem o problema. As vezes nem percebe que estão com o estado emocional alterado, só quando veem a dermatite.O ideal é usar shampoos anticaspa com antifúngicos na formula. Também pode aplicar loções antifúngicas no local. Mas lembre-se que ela pode sempre retornar.

4. Existe tratamento para calvície na adolescência? O que fazer para o cabelo crescer?

É preciso entender o que exatamente o que é essa calvície na adolescência. Se for masculina, pode ser androgenética, ligada a um padrão genética de queda. Se é feminina, pode ser pós parto, pós emagrecimento ou até outro tipo de problema, as alopecias. A ideia é procurar um médico. Hoje já existem especialistas em cabelo que podem fazer um diagnóstico correto dessa quebra e indicar o tratamento mais adequado.

5. Tingir o cabelo com frequência pode causar queda de cabelo?

Na verdade, a tintura, quando aplicada corretamente, age somente no fio do cabelo. O problemático são as escovas definitivas, que usam na formula fenol, formol. Essas substâncias podem entrar no bulbo e machucar muito o couro cabeludo. Assim, são as químicas presentes nos alisamentos que podem alterar a estrutura do fio, tornando-o quebradiço. Alem disso, também prejudicam o crescimento capilar. Porém, só a tinta em si não causa problemas. O único contratempo que pode acontecer são as alergias, mas hoje já existem produtos específicos para pessoas com pele mais sensíveis, sem substâncias alergizantes na fórmula, como o tolueno, por exemplo.

6. Estou no período pós-parto e o meu cabelo está caindo muito. O que fazer?

É natural o cabelo cair após o parto. A gente até brinca que quando o nenê conhece a mãe o cabelo cai. Isso costuma ocorrer após 3 a 4 meses pós parto. Antes, os hormônios ajudavam a manter o cabelo. A ideia é tomar vitaminas específicas, ricas Biotina, melhorando a queda dos fios.

Continua após a publicidade

7. Os fios das minhas sobrancelhas começaram a cair muito. O que posso passar para voltar ao normal?

Já existem produtos específicos para isso no mercado, a base de Latanoprosta. Essa substância ajuda no crescimento dos fios. Ela era utilizada em colírios para glaucoma. Os especialistas perceberam, então, que quem usava o produto, tinha um crescimento nos cílios. Então desenvolveram um colírio específico para isso. Você pode usar uma gota e secar – evitar que caia na pele, pois pode pigmentar ou tornar os fios do rosto mais grosso. Cuidado também para não cair dentro dos olhos, pois pode pigmentar olhos claros. Ele é muito bom para promover o crescimento dos fios e das sobrancelhas.

UNHAS

1. Tirar as cutículas faz mal à saúde das unhas?

A cutícula é uma proteção natural e o ideal é mantê-la para evitar a infiltração de água e fungos abaixo das unhas. Sua retirada é um hábito bem brasileiro, pouco comum em outros países.

2. É ruim esmaltar as unhas toda semana? 

Assim como a pele, as unhas também precisam de hidratação. O uso constante do esmalte impede a penetração dos produtos hidratantes, e ainda resseca e enfraquece as unhas. O ideal é removê-lo até dois dias antes de uma nova esmaltação, aproveitando o intervalo para investir na aplicação de cremes e óleos.

3. Unhas postiças são prejudiciais?

Sim. A cola utilizada não só fragiliza a lâmina da unha, como pode causar alergias e sensibilização nas cutículas. A remoção mecânica e rápida ainda pode levar ao descolamento das unhas naturais.

4. Minhas unhas descamam muito. Já usei tudo quanto é tipo de fortalecedor, mas nada resolve. Como tratar?

Unhas quebradiças podem ser consequência de uma série de fatores, entre eles problemas de tireoide, deficiência de vitaminas e traumas constantes (digitação, por exemplo). O uso de suplementos orais pode ser benéfico para pessoas que apresentem deficiências de vitaminas e minerais, mas não ajudam casos de fragilidade por trauma, assim como as bases fortalecedoras. O ideal é descobrir o que está causando o problema para encontrar o melhor tratamento.

Não encontrou sua dúvida por aqui? Mande para a gente em nosso Facebook (facebook.com/Claudiaonline) ou envie um e-mail para falecomclaudia@abril.com.br. 

Continua após a publicidade
Publicidade