Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ménage: confira 7 erros para evitar durante o sexo a três

Chamar amigos do casal, confundir com não-monogamia e não conversar com o parceiro sobre seus incômodos pode arruinar a experiência

Por Kalel Adolfo
5 fev 2024, 11h33

O ménage, sem dúvidas, é um dos fetiches preferidos dos brasileiros. Até quem não é adepto se diz curioso acerca da prática. Porém, mesmo sendo uma fantasia erótica bastante comum, é necessário ter cuidado para não cair em algumas das armadilhas clássicas que envolvem o sexo a três — tais como manter contato com a terceira pessoa após a transa e por aí vai.

A seguir, a educadora sexual Luana Lumertz lista quais erros as pessoas mais cometem durante o ménage (e por que é tão importante evitá-los):

1. Confundir com abertura de relacionamento

Apesar do casal estar envolvendo uma terceira pessoa (conhecida ou não) em um momento íntimo da relação, isso não significa que o vínculo esteja aberto. Segundo Luana, o ménage nada mais é do que uma experiência isolada — que deve ser bastante debatida anteriormente.

“É importante falar antes sobre o que seria agradável e como vocês escolherão essa terceira pessoa. O encontro será casualmente num bar, ou então, irão contratar uma profissional? É necessário acordar esses pontos”, afirma.

Continua após a publicidade

2. Não dialogar com o parceiro

Ainda neste momento de planejamento, é necessário delimitar de forma clara o que pode ser feito ou não: “Os acordos evitam mágoas, estresse e surtos de ciúmes no momento da transa”, explica.

 

 

3. Esquecer de dialogar com a terceira pessoa

O diálogo também deve acontecer com a pessoa que será convidada, a fim de evitar possíveis conflitos e desentendimentos. “Isso evita, de maneira assertiva, uma quebra de acordos”, diz.

4. Fazer o ménage com pessoas conhecidas

Não que isto seja um erro, porém, muitos preferem chamar um total desconhecido para o ménage. Assim, as chances de criarmos vínculos emotivos diminui: “Muitas acreditam que, sem a proximidade de um amigo, não nos sentiremos inseguras ou trocadas, pois estaremos mantendo a exclusividade romântica entre nós dois”, explica.

Continua após a publicidade

Quando um amigo do casal entra em jogo, de acordo com Luana, há chances de acontecerem rompimentos na amizade ou paranoias acerca de uma possível infidelidade.

Caso a única opção disponível para o sexo a três seja um amigo do casal, alguns cuidados devem ser tomados: “O ideal é conversar primeiro entre o casal e, depois, com a terceira pessoa. Assim, é possível criar estratégias sobre como agir caso algo saia do controle”, elucida.

5. Cancelar por ciúmes

Para Luana Lumertz, não é recomendável cancelar a aventura por ciúmes, pois este é um sentimento que existe até mesmo em casais não-monogâmicos. “O mais importante é entender o que é esse ciúmes. Estamos inseguras em relação ao que? Em que ponto acredito que posso ser trocada? É imprescindível entender o que causa a insegurança e conversar sobre logo em seguida”, recomenda.

Continua após a publicidade

6. Erros durante o ménage

Segundo Lumertz, estes são os maiores erros que as pessoas cometem durante o ménage:

  • Não pensar em proteção: “É obrigatório usar e realizar a troca de preservativos”, pontua.
  • Não demonstrar afeto: muitos acham que carinho e beijos são sinônimos de envolvimento emocional, mas isso não é verdade: “É possível trocar afeto com o convidado sem ter um vínculo amoroso.”
  • Não tratar a terceira pessoa com respeito: “É muito comum que os casais acabem tratando o convidado um pouco mal, criando um ambiente nada acolhedor para o ménage.
  • Deixar alguém de lado: essa é uma das regras de ouro: equilibre a sua atenção para não excluir ninguém.

7. Erros após o sexo a três

Segundo Luana Lumertz, conversar após o sexo a três é bastante aconselhável: “Sejam francos com seus desejos e vontades, respeitando o lado do outro. Fica tudo mais fácil dessa forma”, diz.

As consequências de não refletir sobre o que gostaram ou não pode render insatisfações da próxima vez que vocês se jogarem no ménage. “Evite não falar nada, pois aí que moram as inseguranças. Às vezes, o pensamento que o seu parceiro irá entrar em contato com a terceira pessoa pelas suas costas pode te dominar.”

Continua após a publicidade

8. Fazer ménage para salvar a relação

Se a sua relação está em crise e as brigas estão constantes, não é um simples ménage que irá tirar vocês do purgatório. “Existem maneiras melhores de se conectar com o outro. Quando a relação está fragilizada, o fetiche pode sensibilizar ainda mais o casal, gerando ciúmes e brigas. Não faça se não estiver bem”, recomenda.

9. Pensar que o outro quer o ménage por você ser insuficiente

De acordo com a educadora sexual, tal pensamento não poderia ser menos verdadeiro: “A pessoa pode se sentir suficiente e amada, e ainda assim, querer ter uma experiência com outro indivíduo junto ao parceiro”, esclarece. Aliás, para Luana, apenas o fato do casal querer sentir novas formas de prazer juntos já é romântico o suficiente. “Não se esqueça de acolher as inseguranças do outro, pois muitas vezes, o parceiro precisa de demonstrações para não se sentir inseguro”, conclui.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.