Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Quer saber como engajar pra valer seu filho no esporte?

O primeiro passo é conhecer - e respeitar - as características de cada faixa etária

Por Estúdio ABC
Atualizado em 11 abr 2024, 18h05 - Publicado em 29 out 2015, 16h46

Quem nunca teve a sensação de que o filho está maior a cada dia? Nos primeiros dez anos de vida, a criança realmente cresce em um ritmo alucinante – e, de uma hora para outra, pode manifestar necessidades e preferências bem diferentes daquelas às quais você estava habituado até ontem. Depois vem a puberdade, com sua torrente de hormônios a provocar tantas mudanças bruscas no corpo e no humor. Respeitar cada uma dessas fases é primordial para manter a criança interessada pelo esporte – não é porque seu filho amava a natação aos 5 anos que ele vai continuar gostando de dar suas braçadas aos 12. Veja, a seguir, quais são as prioridades de cada faixa etária. E qual o papel do esporte em cada uma delas.

0 a 2 anos

A ênfase, aqui, é a descoberta do mundo e das relações. As aulas de natação infantil, oferecidas a partir dos 6 meses, não têm como objetivo ensinar o bebê a nadar. “Trata-se de um estímulo à interação com a água e o carinho da mãe, com o prazer do movimento”, explica Luis Vasquinho, educador físico, pedagogo e mestre em Ciências da Saúde.

3 a 7 anos

A criança só quer brincar para descobrir o mundo e os próprios limites. Não convém, portanto, submetê-la a rotinas rígidas: atividades individuais e coletivas que não exigem tanto aprimoramento tático, sem regras ou compromisso com o resultado, são bastante indicados. A prioridade é interagir com o mundo e desenvolver as habilidades motoras. “Assim como aprende a engatinhar e a andar no primeiro ano de vida, a criança deve aprender a correr, pular, lançar e se arrastar nessa fase. Todos esses movimentos serão somados ao seu acervo motor, que servirá de base para a prática de esportes mais adiante”, diz Vasquinho.

8 a 10 anos

Os movimentos já estão mais elaborados e as crianças já percebem a importância da organização para os jogos coletivos. Atividades como futebol, handebol, tênis, atletismo e lutas marciais começam a ser requisitadas – as preferências já se tornam mais nítidas. Mas nem todas as crianças se adaptam às sistematizações e algumas preferem atuar sem muita pressão por resultados. “O foco, nessa faixa etária, deve ser o convívio em sociedade. É hora de perceber se a criança sabe lidar com as vitórias e encara bem as derrotas.”

Continua após a publicidade

11 a 12 anos

Sinal verde para gradativamente submetê-los às regras rígidas dos esportes e evitar o sedentarismo infantil. “No início da puberdade, eles já têm estrutura psicológica mais madura para lidar com elas”, avalia o especialista. Também têm mais condições de conviver com a competição, que se torna cada vez mais acirrada – é nessa faixa etária que os mais habilidosos começam a se destacar. Lembre-se, porém, de respeitar o desenvolvimento psíquico e emocional do seu filho, independente da idade. “Cada criança tem um ritmo. Às vezes, essa maturidade só se dá um pouco mais tarde.”

A partir dos 13 anos

Com o aumento da secreção hormonal, tudo muda. Os meninos adquirem mais força e passam a preferir esportes de maior intensidade. Atividades físicas cada vez mais desafiadoras são bem-vindas, mas não para todos. “Costuma ocorrer o oposto com as meninas. Nessa fase, a maioria delas fica mais sedentária. É preciso respeitar as diferenças, caso contrário as adolescentes acabam desistindo do esporte nessa idade.” Segundo Vasquinho, é prudente que meninos e meninas sejam poupados dos treinos técnicos e físicos de nível profissional, com repetição de movimentos, até os 16 anos.

*Clique aqui e leia todo o conteúdo do especial O Esporte Ensina 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.