Quanto custa ter um filho e aumentar a família

Com mais um membro em casa, os custos aumentam e muito. Mas você sabe quanto precisa - e pode - gastar com seu filho? O primeiro passo para manter as contas na linha depois da chegada deles é se organizar. Saiba como!

Planeje-se para os gastos com a maternidade!
Foto: Getty Images

Logo depois de saber do resultado positivo, a maioria das pessoas corre para uma loja para comprar a primeira roupinha do bebê. E esse vai ser só o primeiro de muitos cifrões da sua vida que serão destinados ao novo membro da família. Uma recente pesquisa feita pelo Invent, Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing, mostrou que, até os 23 anos, quando o filho provavelmente estará completando a faculdade, os pais podem ter gasto até 2 milhões de reais só com ele.

Dito assim, o valor assusta mesmo. Mas é importante ressalvar que esse é o cálculo feito para as famílias de classe A e que ele varia bastante. Para as de classe B, esse número fica na média de 1 milhão de reais e, para as de classe C, em 410 mil reais. E, ao contrário do que se possa imaginar, não são os primeiros anos de vida que custam mais para os pais. Até os 4 anos, devido à criança ainda não ter todos os custos relativos ao lazer e à escola (livros, uniforme, transporte, excursões, festinhas de aniversário dos colegas, brinquedos, passeios e cultura), os pais precisam de um pouquinho menos de dinheiro.

Por outro lado, é essa a fase que mais impacta o bolso, pois, de uma hora para outra, o casal precisa pagar muito mais contas do que antes. Imagine que logo de cara você vai precisar de cerca de 5 mil reais a mais por mês (valores para a classe A. Para a classe B, 2 750 reais e, para a C, cerca de 500 reais) para investir em plano de saúde, babá, fraldas, roupas, alimentação, para montar o quarto etc. Por isso, os especialistas são unânimes em aconselhar que você planeje suas despesas quanto antes e as mantenha sempre sob controle.

“É muito válido o casal pensar no que deseja oferecer ao filho. Que tipo de escola, que cursos extracurriculares, que atividades de lazer, quais cuidados (babá, berçário ou se conta com a ajuda de parentes)”, diz César Caselani, professor de finanças da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), de São Paulo. Pôr no papel também é fundamental: faça uma planilha de despesas mensais e anote tudo o que você gasta para saber se um sonho cabe ou não no orçamento.

Para Adriano Amui, presidente do Invent e coordenador da pesquisa do custo de ter um filho, um pouquinho de autocontrole não cai nada mal. “Bebê nunca tem roupa velha. Sempre fica pequena rapidinho, portanto, não há a menor necessidade, e sim apenas a maior vontade, de comprar itens caros. Em vez de comprar de uma vez em grandes quantidades, compre mais vezes, conforme ele for crescendo. E espere ter esse tipo de gasto todo mês.”

Pezinho de meia

Além de planejar suas contas mensais, dispor de uma reserva financeira pode servir para muitas coisas quando se tem filhos. Inclusive, se você ainda está na tentativa de engravidar, compensa poupar para montar o quarto novo sem aperto, por exemplo. Em geral, os pais pensam nas reservas para um curso no exterior, para ajudar na compra de um imóvel ou um carro, mas esse “fundo-filhos” pode ser muito útil no caso de uma queda na renda familiar, como a perda de emprego de um dos pais.

Quanto poupar vai depender das suas finanças, mas, para se ter uma ideia, Amui fez um cálculo considerando dedicar 100 reais por mês, desde o nascimento do seu filho, a um investimento que renda 10% ao ano, que é um pouco a mais do que a poupança atualmente. “Quando ele completar 18 anos, terá 57 670 reais.” O tipo de investimento depende mais do seu perfil do que de qualquer outra coisa. “Você precisa conhecer seu grau de tolerância a riscos. Se não quer a possibilidade de perder algum dinheiro em determinado momento, é melhor ficar com a poupança ou a renda fixa”, explica Caselani. Ambas atualmente estão na faixa de 7% ao ano.

As previdências privadas são outra opção de baixo risco e os rendimentos variam de acordo com o administrador do plano. Há inclusive opções em que se autoriza o administrador a aplicar parte dos recursos em ações, para obter mais rentabilidade, porém com maiores riscos. Outras alternativas de investimento são o Tesouro Direto, em que você investe em títulos do Tesouro Nacional. Os rendimentos podem ser menores que os dos fundos de renda fixa, mas atualmente é uma opção de baixo risco, pois é pouco provável no cenário atual que ocorra um calote do governo. Já os CDBs (títulos de bancos e de outras empresas) e as ações podem ser mais arriscados, mas também trazer mais lucros. Se você tiver boa tolerância ao risco, pode investir uma parte do dinheiro que quer economizar nessas opções.

Mais um?

Para quem ficou preocupado com os números e está pensando se cabe mais que um filho no orçamento, o raciocínio está correto. “Decidir ter um, dois ou mais filhos é também uma decisão econômica”, diz Caselani. Com um pensamento racional e as contas na ponta do lápis, fica mais fácil fazer a escolha certa para sua família. Quando estiver na hora de decidir sobre a chegada de mais um bebê, leve em conta a parte boa da história: o segundo filho custa menos que o primeiro, por causa do reaproveitamento de roupas, móveis, desconto na escola… Tudo isso acumulado faz com que os irmãos resultem em no mínimo 7% menos gastos que o primogênito. Além de deixar a casa ainda mais alegre!

Para ajudar a controlar e planejar os gastos

. YourMoney (aplicativo gratuito para iPhone e iPad)
De um jeito simples, em reais e em português, você anota quanto gastou com cada despesa, fixa ou variável. Dá para personalizar os gastos e programar os que se repetem a cada mês ou ano. Depois, você consegue visualizar de um jeito fácil para onde está indo o seu dinheiro e em que pontos é possível economizar. Há uma versão paga com mais recursos e vários aplicativos similares, como o My Money, para Android, gratuito.

. Pais Inteligentes Enriquecem Seus Filhos – Gustavo Cerbasi (Sextante)
Além da importância de dar conta da sua saúde financeira, ensinar seus filhos a lidar com dinheiro e finanças também é fazer um investimento no futuro.

. Olha Quem Está Poupando – Maria Fernanda Delmas (Campus)
Um guia para conseguir enxergar os gastos que chegam com o novo filho e administrá-los bem.

. Investimentos: Como Administrar Melhor Seu Dinheiro – Mauro Halfeld (Fundamento)
O autor aborda o melhor caminho para o orçamento pessoal, a compra de imóveis e os investimentos financeiros.

. Educação Financeira: Como Educar Seu Filho – Cássia D’Aquino (Elsevier / Campus)
As dicas servem para ajudar a passar conceitos e valores para os filhos, mas podem ser úteis para muitos adultos também.

Os primeiros dois anos, em cifras

(Classe B – renda familiar de 6 mil a 25 mil reais por mês)*

Gastos / anos – Casa
Descrição – Alimentação

. 0 a 1 ano – R$2.400
. 1 a 2 anos – R$2.400

Gastos / anos – Casa
Descrição – Babá / Adicional Emp. Doméstica

. 0 a 1 ano – R$14.400
. 1 a 2 anos – R$14.400

Gastos / anos – Casa
Descrição – Energia, telefone, TV a cabo

. 0 a 1 ano – R$1.000
. 1 a 2 anos – R$1.000

Gastos / anos – Educação
Descrição – Berçário / Ensino Fundamental e Médio / Universidade

. 0 a 1 ano – R$4.800
. 1 a 2 anos – R$4.800

Gastos / anos – Educação
Descrição – Materiais Didáticos / Livros / CDs / Revistas

. 0 a 1 ano – R$300
. 1 a 2 anos – R$300

Gastos / anos – Lazer & Entretenimento
Descrição – Festas de aniversário

. 0 a 1 ano – R$1.000
. 1 a 2 anos – R$1.000

Gastos / anos – Lazer & Entretenimento
Descrição – Viagens / Férias / Passeios

. 0 a 1 ano – R$1.000
. 1 a 2 anos – R$1.000

Gastos / anos – Reserva Financeira
Descrição – Fundos de Investimentos

. 0 a 1 ano – R$1.200
. 1 a 2 anos – R$1.200

Gastos / anos – Saúde
Descrição – Despesas Diversas / Farmácia

. 0 a 1 ano – R$1.200
. 1 a 2 anos – R$1.200

Gastos / anos – Saúde
Descrição – Plano de Saúde

. 0 a 1 ano – R$2.400
. 1 a 2 anos – R$2.400

Gastos / anos – Tendências
Descrição – Brinquedos, informática, telefonia e novas tecnologias

. 0 a 1 ano – R$1.200
. 1 a 2 anos – R$1.200

Gastos / anos – Vestuário
Descrição – Roupas e calçados

. 0 a 1 ano – R$1.200
. 1 a 2 anos – R$1.200

Somatória dos gastos anuais
. 0 a 1 ano – R$32.100
. 1 a 2 anos – R$32.100

*Fonte: estudo Quanto Custa Ter um Filho do Nascimento aos 23 Anos, novembro de 2012, realizado pelo Invent