Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Por que me tornei vegetariana?

Uma resposta que todo vegetariano precisa ter na ponta da língua para explicar suas decisões

Por Stefanie Silveira (colunista) Atualizado em 21 jan 2020, 13h42 - Publicado em 7 mar 2016, 11h46

Quando você é vegetariano/vegano precisa estar preparado para responder uma série de perguntas toda vez que for dividir uma refeição com alguém que não está familiarizado com seus hábitos alimentares.

A principal delas é: por que? E explicar pode não ser uma tarefa fácil, principalmente enquanto saboreia um suculento bife. No meu caso, a resposta é compaixão.

Para explicar melhor, vou fazer um comparativo com o carnívoro mais consciente que conheço e talvez o sujeito mais atento às mazelas da indústria alimentícia, o jornalista e escritor Michael Pollan. 

No primeiro episódio da série Cooked (disponível no Netflix e altamente recomendada por sinal), Pollan se dedica a explicar a relação do homem com o fogo e o quanto o domínio da técnica de cozinhar o alimento foi definitivo para a evolução da nossa espécie.

“Nenhuma outra espécie cozinha e quando aprendemos a cozinhar é que nos tornamos realmente humanos”, diz Pollan.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=1egakDysyFI%5D

O problema todo é que ao longo do desenvolvimento da espécie, nós perdemos contato com a forma pela qual a comida chega ao nosso prato, diz Pollan. Para ele, toda pessoa que come carne deve experimentar pelo menos uma vez participar de uma caçada. É uma forma de relembrar de onde vem a comida que você come.

“Nós chamamos de bacon, não de porco. Chamamos bife, não vaca. Estamos sempre tentando nos distanciar dessa ideia. Se você vê a comida na forma de nugget de frango pode se esquecer completamente de que havia uma galinha no início do processo.” 

E é neste ponto em que Pollan explica sua visão sobre o consumo de animais. Uma fazendeira que cria porcos livres e que cuida do seu bem estar aparece comentando o cuidado que tem para os animais tenham somente “um dia ruim na vida”.

“Acho que todos nós devemos lidar com o fato de que quando comemos carne estamos comendo um animal morto. É importante”, comenta ele enquanto cozinha um porco inteiro no quintal de casa e começa a falar sobre a importância da procedência da carne.

Thinkstock
Thinkstock

Continua após a publicidade

Pollan é contrário ao que chama de ‘animal commoditie’, que são aqueles criados em gigantesca quantidade, confinados em espaços minúsculos e forçados a comer o tempo todo para que engordem rapidamente. “Já estive nestes locais e eles são uma visão do inferno.”

Afinal, o que é a carne que consumimos? 

Realmente, se você compara as imagens dos porcos criados livres pela fazendeira que citei acima com as imagens dos criadouros de grandes frigoríficos a diferença é gritante. 

“Escondemos a carne e a forma como os animais são tratados atrás de muros altos de matadouros e currais de engorda. Não lidamos com as consequências cármicas disso. Tenho dificuldade de justificar a maior parte do nosso consumo de carne, mas já visitei muitas fazendas em que os animais vivem o tipo de vida que devem viver e onde têm somente ‘um dia ruim’. Esse tipo de produção é algo que posso e quero apoiar.”

E aí vem a diferença entre a minha opção e a de Pollan. Se o conhecimento sobre as condições infernais de criação e produção de carne na grande indústria servir para que menos animais sejam abatidos e os que forem tenham pelo menos tido uma vida melhor, isso certamente será um avanço muito importante . 

A diferença é que eu não acredito que seja justo que um animal precise morrer para satisfazer um simples desejo do meu paladar. Não creio que o meu paladar seja mais importante que a vida de um ser consciente, inteligente, capaz de sentir dor, medo e expressar sentimentos como o luto, por exemplo.

Se a caçada e o consumo de carne foram importantes para que o homem evoluísse na pré-história, hoje, nada justifica a continuidade desse comportamento. Somos plenamente capazes de viver sem explorar outras espécies, trazendo ao planeta benefícios ambientais e de pacificação.

Fazer a escolha de não comer carne por compaixão (além dos aspectos ambientais) é parte de uma visão de mundo pacifista que não acredita na superioridade de uma espécie, ou ainda, que não crê que uma vida seja mais importante do que a outra, seja ela de outro humano ou animal.

Se pudermos ter uma relação menos exploratória com o planeta, preservando seus recursos e espécies naturais, derrubando a ideia de supremacia do homem sobre a natureza, certamente chegaremos a um futuro mais sustentável e pacífico em todos os aspectos.

E é por isso que eu não como carne e numa visão mais extensa sobre a exploração animal, é por isso que veganos não consomem nenhum tipo de produto derivado de animais. No entanto, não há aqui nenhuma ideia de qual opção é melhor ou pior que a outra. Pense você como eu, como Pollan ou de outro jeito, o importante é sempre estar consciente sobre a sua decisão. 

Reprodução
Reprodução

Continua após a publicidade
Publicidade