CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Pesquisas revelam que os pais têm predileção por um dos filhos

Ninguém precisa se sentir culpada por ter predileção por um dos filhos. Entenda por que isto é normal e crie relações mais harmoniosas em casa

Por Redação M de Mulher Atualizado em 16 jan 2020, 05h08 - Publicado em 27 jan 2013, 21h00

Muitas vezes, o que gera a predileção não é a semelhança, mas o oposto
Foto: Getty Images

“Você gosta mais do meu irmão do que de mim!” Quem nasceu numa família grande certamente já disse – ou ouviu – essa frase. Se existem várias crianças em casa, vira e mexe o assunto delicado vem à tona.

Pai e mãe, para evitar conflitos, insistem em repetir: “A gente ama os filhos igualmente”. Mas será possível gostar da mesma maneira de crianças tão diferentes umas das outras? “Cada filho é concebido num momento específico da vida do casal”, diz a psiquiatra Vera Zimmermann. Essa diversidade de situações, de acordo com a especialista, faz com que cada rebento ocupe um lugar também diferenciado, pois ele representa a fase vivenciada. Um exemplo? A notícia da gravidez durante uma crise no casamento vai gerar projeções específicas na criança, enquanto a concepção num período de harmonia do casal criará outra atmosfera. “Isso não significa que uma será melhor que a outra, mas apenas diferente”, defende Vera.

Moral da história: não se culpe por “gostar mais” de determinado filho nem fique triste se o seu irmão é o queridinho da sua mãe. Para alívio de muitos pais e filhos, pesquisas têm mostrado que é natural existir um favorito na prole.

O que diz a ciência

Continua após a publicidade

Na Universidade da Califórnia (EUA), estudiosos observaram, por três anos, as relações de 384 pares de irmãos e os pais deles. Constatou-se que 65% das mães e 70% dos pais pendiam para um dos filhos. Para a psicóloga americana Judith Rich Harris, estudiosa do tema e autora de Não Há Dois Iguais (Ed. Globo), a razão do favoritismo está relacionada a semelhanças e afinidades. “Uma criança pode ser mais atraente do que outra por se parecer fisicamente com o pai ou com a mãe ou pelo comportamento”, afirma. É o caso da caçula que é “a cara do pai” ou da mais velha que puxou “o temperamento da mamãe”. “Um filho acorda bem-humorado de manhã, outro tem mais energia à noite; uma filha gosta de acompanhar os pais em reuniões de família, outra adora compras. Essas variações de perfil explicam a maior empatia entre um dos pais e uma das crianças, o que os leva a fazer mais programas juntos”, diz a psicopedagoga Lia Rosenberg (SP). No entanto, as características físicas e psíquicas também podem gerar reações negativas – caso do filho parecido com um avô que não é lá muito simpático. No entanto, isso não significa que os pais não vão amar aquela criança. “Todos são amados, mas a relação é diferente com cada um. Se essa ideia for transmitida com tranquilidade, os filhos não se sentirão rejeitados”, sublinha a psiquiatra Vera.

Os opostos se atraem

Muitas vezes, o que gera a predileção não é a semelhança, mas o oposto – os pais admiram na criança a característica que não possuem, mas adorariam ter. O curioso é que desde pequenos os filhos percebem que os pais estabelecem vínculos diferentes entre eles. E isso nem sempre incomoda, como defende a pesquisadora Laurie Kramer, da Universidade de Illinois (EUA). Ela descobriu que essa percepção só vira um problema quando não existe razão aparente para a preferência.

A ordem de nascimento dos filhos também conta. A pesquisadora Catherine Salmon* revela que os pais dão menos atenção à criança do meio. “A cena só muda quando ela é do sexo oposto aos demais”, diz. A psicóloga Débora Ganc (SP) concorda com os papéis diferenciados. “O primogênito dá mais e o caçula recebe mais. Por isso, às vezes o mais velho é recompensado com privilégios e o mais novo assume responsabilidades para com a velhice dos pais”, acredita.

X da questão

Os pais podem preferir um filho a outro por questões de afinidade, porque acham nele características que gostariam de ter ou ainda pelo momento do casal quando a criança foi concebida. No entanto, isso não significa falta de amor pelos filhos que não são os prediletos.
 

Continua após a publicidade
Publicidade