Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pedido de impeachment da presidente Dilma é aprovado na Câmara dos Deputados

Neste domingo (17), a Câmara dos Deputados votou a admissibilidade do processo que pede a saída da presidente Dilma Rousseff. Julgamento segue agora para o Senado. Entenda os próximos passos:

Por Redação CLAUDIA
Atualizado em 31 out 2016, 11h31 - Publicado em 17 abr 2016, 15h23

Neste domingo (17), os deputados federais se reuniram no plenário da Câmara, liderados por Eduardo Cunha, para votar a admissibilidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Perto das 23h15, após mais de 8 horas de votação, foram alcançados os 342 votos necessários para tanto – o número equivale a dois terços dos membros da Casa.

PRÓXIMOS PASSOS

Aprovado na Câmara, o processo segue para o Senado. Caso o presidente da República seja acusado de um crime comum, é o Supremo Tribunal Federal o encarregará de julgá-lo. Nesse caso, que a acusação é de crime de responsabilidade, o julgamento fica aos cuidados do Senado.

Senado decide se inicia o julgamento

Chegando nesta Casa, o julgamento será instaurado se a maioria simples dos 81 senadores votar pela aceitação do processo. Uma vez aceito, a presidente Dilma ficará afastada do cargo por 180 dias enquanto correm os trâmites e as investigações. Neste período, quem governa é o vice-presidente Michel Temer.

Votação no Senado

Após este período de conclusão das investigações, o impeachment precisa ser aprovado por dois terços dos nossos senadores para acontecer de fato. A sessão do julgamento é comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, neste caso, Ricardo Lewandowski.

Se não houver maioria e Dilma for absolvida, ela volta ao cargo. Do contrário, a presidente é destituída.

VALE A PENA SABER

O processo de impeachment nunca foi plenamente aplicado no Brasil. Mesmo no caso de Fernando Collor, em 1992, o que houve foi uma renúncia ainda em meio ao processo. Por isso, o procedimento legal é pouco conhecido dos eleitores. Se Dilma fosse cassada, o vice-presidente, Michel Temer, herdaria o cargo. Se ele também perdesse o mandato, o presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha, assumiria de forma interina até que o novo presidente fosse eleito. Isso pode acontecer em 90 dias, nas urnas, se o impeachment acontecer até 31 de dezembro de 2016; e em 30 dias, por eleição indireta do Congresso, caso a cassação ocorra na segunda metade do mandato.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.