O que acaba com a libido do parceiro

Saiba o que afeta o desejo entre você e seu parceiro e reverta a situação

Saiba como driblar a falta de desejo entre você e seu parceiro
Foto: Getty Images

Desarmonias sexuais são comuns na vida de qualquer casal, mas podem incomodar ou até mesmo colocar a união em risco. Antes que isso aconteça, acompanhe o que influencia na libido de ambos e as dicas para viver como dois pombinhos.

Rotina ou stress
Poucos fatores são tão prejudiciais para a vida a dois. As tarefas e as perturbações cotidianas são tantas que não há espaço para surpresas.
Como driblar o problema: é preciso dar um chega pra lá na mesmice e buscar, dentro de si, alegria de viver. Se conseguirem retomar essa juventude interior, tanto o homem quanto a mulher serão mais criativos. No caso do stress, a irritabilidade e a variação de humor são eliminadas com algumas mudanças no estilo de vida. “Vejam se não é possível diminuir a sobrecarga de trabalho auxiliando-se mutuamente ou estabelecendo uma lista de prioridades”, sugere Yara Azevedo, psiquiatra e psicoterapeuta.

Vontade de fazer  coisas inusitadas
“Sim, os sonhos eróticos existem – para homens e mulheres -, mas o universo masculino tem mais facilidade para perceber e assumir o que o excita”, comenta Ana Canosa, sexóloga e terapeuta de casais.
Como driblar o problema: a primeira coisa a fazer é não negar a existência da fantasia. “Para apimentar a relação, assistam a filmes eróticos e românticos e identifiquem o que chama a atenção: a prática sexual, o sentido da cena, a maneira como fazem sexo, o enredo… Vejam o que os motiva e dividam essa informação conversando abertamente sobre a transa”, sugere Ana.

Diferença de idade
No começo da relação a maturidade dele ou dela não parece tão discrepante. Mas, com o passar do tempo, ela fica muito evidente, porque as diferenças se acentuam. O quadro se agrava quando o projeto de vida comum não acontece em detrimento dos planos individuais – morar fora, deslanchar na carreira…
Como driblar o problema: “Muitos casais, embora tenham diferença de idade, aprenderam a se conhecer, entendendo o que é importante sexualmente para si e para o outro. Isso é cumplicidade. uma relação forte e ampla rompe as barreiras do tempo, permitindo que a sexualidade seja um caminho além da paixão”, destaca a psicóloga Dorli.

Baixa autoestima
“A sociedade obriga as pessoas a serem bem-sucedidas em suas conquistas amorosas e profissionais. Tal exigência afeta quem não se encaixa no padrão, é tímido ou tem dificuldade para se encontrar”, explica Ana.
Como driblar o problema: é preciso descobrir o que motiva o seu querer e liberar aquilo que freia emocionalmente você ou o seu parceiro. É essencial entender que vários aspectos da vida são importantes, e não somente beleza, aquisição financeira e sucesso na carreira. “Valorize no outro as suas condutas, como ser um bom amigo e uma pessoa de caráter. Assim, quando se deparar com o desequilíbrio do desejo sexual, você ou ele não contaminarão a visão que têm de si mesmos”, conclui Ana Canosa.