Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Modelo plus size transexual estreia na passarela e promete quebrar paradigmas

Pluz size ou transexual? Isso não importa. O que ela quer mesmo é ser modelo!

Por Silvio Carvalho Atualizado em 21 jan 2020, 20h28 - Publicado em 22 jul 2015, 13h48

Com 1,70 m de altura e manequim 46, Renata Montezine, a primeira modelo plus size transexual brasileira, fará sua estreia nas passarelas na 12º edição do Fashion Weekend Plus Size (FWPS), no próximo sábado (25), no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. A modelo será a estrela do editorial Rebel e, além disso, irá representar três grifes plus size: a Chica Bolacha, Ênfase Plus e a Vislumbre Lingerie. 

Desde criança, Renata Montezine se sentia diferente. Já aos 6 anos, gostava de bonecas e não se interessava por brincandeiras de meninos. Aos 12, as diferenças em seu comportamento se acentuaram e chamaram a atenção dos pais. Eles não entendiam suas preferências e, preocupados em compreender melhor o que estava acontecendo, resolveram levar a adolescente a uma psicóloga. Após algumas sessões, a terapeuta chegou a conclusão de que ela era transexual. 

Eu sempre me vi como menina, meu modo de falar e me expressar eram tipicamente femininos. Estava presa em um corpo masculino, mas eu era uma menina de alma

Binho Martins/Divulgação
Binho Martins/Divulgação

Aceitar as diferenças é sempre algo difícil no início e não foi diferente para a família da modelo. Assim que receberam a notícia, o estranhamento tomou conta, mas, com o tempo, aceitaram e apoiaram sua decisão. Com ajuda profissional e familiar, Renata resolveu assumir sua nova identidade: era hora de adequar o gênero da adolescente.

“Comecei a fazer tratamento hormonal e as formas femininas despontavam. Meu rosto foi afinando, os pelos reduziram e minhas curvas foram aparecendo”.

Binho Martins/Divulgação
Binho Martins/Divulgação

Aos poucos, as questões relacionadas à adequação de identidade de gênero foram resolvidas. Renata seguiu sua vida normalmente, enfrentando dificuldades comuns da sua idade. Por ser muito feminina, diz não ter sofrido preconceito declarado. 

Trabalhou na área estética e como vendedora de uma loja de roupas. Foi lá, em meio aos elogios de suas clientes, que se sentiu impulsionada a tentar a carreira de modelo. Suas amigas também foram imprenscindíveis em sua decisão.

“Tinha dúvidas. Receio por ser gordinha. Se elas já sofrem preconceitos, imagine sendo transexual? São dois preconceitos em um só”. Mas Renata enfrentou seus medos e decidiu se jogar. “Se a gente não tenta, não sabe!”.  

Binho Martins/Divulgação
Binho Martins/Divulgação

Continua após a publicidade

Entusiasmada, iniciou um trabalho de pesquisa. “É difícil encontrar pessoas de confiança. Através das redes sociais, consegui entrar em contato com Renata Poskos, diretora do SPFW Plus Size, e ela gostou do meu perfil. Ela me achou bonita, mas ainda não tinha falado sobre ser trans. Quando falei, ela achou super bacana. Viu meu potencial e disse que eu era linda”. 

Estou  realizada. Minha família está muito feliz e orgulhosa. É bom para mostrar que não é porque sou transexual que não posso dar motivos para eles se orgulharem

A caminhada da modelo está apenas começando e ela tem os pés no chão. Quando questionada se sente medo de encarar as passarelas pela primeira vez, ela responde, sem rodeios: “Estou segura de mim. Vou fazer um belo trabalho! Vou desfilar de lingerie!”

Leia também: 7 mitos sobre pessoas transexuais e travestis que precisam ser combatidos

Binho Martins/Divulgação
Binho Martins/Divulgação

Além da realização pessoal, Renata quer que seu trabalho abra portas para as mulheres transexuais e para todos os que, de alguma forma, são excluídos por suas diferenças. 

O mundo está precisando mais de amor. Acabem com os rótulos de diferenças, gordinhas, magras, deficientes, altas, baixas. O mundo tem que mostrar que todos somos iguais. Somos todos seres humanos

 

Fashion Weekend Plus Size

Data: 25.07.15 (sábado); desfiles a partir das 17h

Local: Centro de Convenções Frei Caneca (r. Frei Caneca, 569 – 4 º andar – Cerqueira César; São Paulo)

Ingresso à venda no site Ticket360 para o público em geral (inteira R$ 50; meia-entrada: R$ 25)

 

Continua após a publicidade
Publicidade