Ministério Público já recebeu relatos de abuso de mais de 500 mulheres

A maioria das acusações de abuso sexual contra o médium João de Deus foram feitas por e-mail

A força-tarefa do Ministério Público de Goiás criada para receber e investigar as denúncias de abuso sexual cometidos pelo médium João de Deus reuniu, até esta segunda-feira, 17, mensagens de 506 mulheres com denúncias contra o líder espiritual. A maioria das acusações foi feita por meio de um endereço de e-mail disponível às vítimas há sete dias. João de Deus é acusado pelas vítimas de ter abusado sexualmente de mulheres que o procuravam na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), para se consultarem com ele.

Além dos estados de Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Pernambuco, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Pará, Santa Catarina, Piauí, Maranhão e do Distrito Federal, os seis promotores que compõem a força-tarefa registraram nos últimos dias possíveis vítimas do médium em Mato Grosso, Ceará e Rio Grande do Norte. Há ainda estrangeiras de seis países: Alemanha, Austrália, Bélgica, Bolívia, Estados Unidos e Suíça.

Uma das primeiras mulheres a denunciar abusos sexuais de João de Deus, em entrevista ao programa Conversa com Bial, foi a coreógrafa holandesa Zahira Leeneke Maus.

João de Deus teve a prisão preventiva decretada e se entregou à polícia no domingo (16).

Nesta segunda-feira, a defesa de João de Deus apresentou pedido de habeas corpus no com o objetivo de reverter a prisão preventiva do líder religioso.