Mães contam o que fazem para os filhos comerem verduras e legumes

Seu filho não gosta de verduras e legumes? Abaixo, reunimos conselhos para ajudá-lo a ter uma alimentação mais saudável.

Tamara é persistente

O Dante come de tudo, tudo mesmo. Aqui em casa é proibido dizer que não gosta antes de experimentar. O que fiz desde que ele era bebê foi, caso ele não apreciasse algum alimento, eu tentava prepará-lo de outra maneira. Por exemplo, se não rola couve-flor como salada, ofereço gratinada ou como massa (no lugar da farinha) para uma torta ou bolinho assado. Se, mesmo assim, se recusa a experimentar, não substituo por nada de que ele goste. Quando a fome bater, a criança vai comer. Essa, sem dúvida, é a parte mais difícil, manter-se firme e não ceder ao chororô e à manipulação. Tamara Vicentin Nirino, mãe de Dante, 7 anos, é arquiteta e mora em São Paulo Milena é o exemplo Minhas filhas falam que o prato favorito da mamãe é salada! Como com gosto na frente delas e elas também comem e adoram. Acho importante o exemplo, a apresentação dos pratos (tudo é míni, em recipientes lúdicos), nomes engraçadinhos, e muita paciência. Costumo citar o nosso primeiro contato com comida japonesa: no começo, torcemos o nariz; depois, engolimos para não perder a companhia do jantar, até um dia sentirmos vontade daquilo. Assim acontece com as crianças, tem um processo, e as evoluções podem ser lentas.

Tamara Vicentin Nirino, mãe de Dante, 7 anos, é arquiteta e mora em São Paulo

Milena é o exemplo

Minhas filhas falam que o prato favorito da mamãe é salada! Como com gosto na frente delas e elas também comem e adoram. Acho importante o exemplo, a apresentação dos pratos (tudo é míni, em recipientes lúdicos), nomes engraçadinhos, e muita paciência. Costumo citar o nosso primeiro contato com comida japonesa: no começo, torcemos o nariz; depois, engolimos para não perder a companhia do jantar, até um dia sentirmos vontade daquilo. Assim acontece com as crianças, tem um processo, e as evoluções podem ser lentas.

Milena Aragão, mãe de Beatriz, 6 anos, Helena, 4, Cecília, 3, e Fernando, 10 meses, é cirurgiã-dentista e mora em São Paulo

Renata apelou para uma gincana

Como a maioria das crianças, meus filhos não gostam muito de comer legumes, frutas e verduras. Decidimos criar a Semana da Fruta e a Semana do Legume aqui em casa e fomos revezando. Eu fiz uma tabela indicando alguns legumes que eles deveriam comer e, a cada “desafio” conquistado, eles ganhavam pontos. No final da semana, os pontos eram convertidos em dinheiro (coisa pouca, mas despertou interesse). Além disso, tinha os extras: quem comesse algo que não estava na tabela, ganhava mais ponto. E por aí foi. Eles ainda não são muito fãs, mas comem bem cenoura, pepino, alface, brócolis, maçã, banana e melancia. Além de batata, lógico. O pediatra deles diz que está bom, que essas verduras já fornecem vitaminas suficientes.

Renata Batochio, mãe de Thiago, 12 anos, e Laura, 9, é administradora de um grupo de compras e mora em São Paulo

Adriana dá uma disfarçada

Minhas filhas são difíceis na hora de comer, mas fui tentando fazer de tudo para incluir os legumes e as verduras, e tem dado certo: bolinho de arroz com cenoura, bolinho de espinafre, lasanha de berinjela, rolinho primavera, torta de liquidificador (escondo um monte de coisas dentro), pastel de legumes com carne… A mais velha é mais difícil, mas “obrigo” a experimentar. Não falo do que se trata até que coma e dê sua opinião. A menor é bem mais tolerante. Faz questão de provar de tudo. Quando disfarço, só falo o que é depois de terem comido. Elas já estudaram sobre a pirâmide dos alimentos, então sempre discutimos a importância deles em nosso cardápio.

Adriana Borelli Babi, mãe de Roberta, 11 anos, e Marcela, 7, é advogada e mora em São Paulo