Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Fiquei um mês sem me depilar (e nem doeu)

Acredite, eu já fui do time: "credo, que nojo!"

Por Luciana Teixeira (colaboradora) Atualizado em 21 jan 2020, 11h35 - Publicado em 14 abr 2016, 13h57

Eu sei que muitas estão lendo e pensando: “nossa, que falta do que fazer”, “mas é tão rápido e fácil, pra que ficar sem se depilar?” e até mesmo o clássico que até eu já proferi: “credo, que nojo!”. Mas preciso dizer logo de cara que ficar um mês todinho sem me depilar foi uma experiência libertadora e de muita desconstrução de padrões de beleza. E sabe o que? Passei a me amar ainda mais (pois é, eu também não imaginava que pelos podiam fazer isso pela gente).

Lembro até hoje da primeira vez que depilei a axila. Eu tinha uns 11 anos de idade e meus pelos começavam a nascer. Então, fui ao salão com a minha mãe e decidi depilar com cera quente – o resultado da experiência foi meio traumático e eu virei #timelâminadepilatória. Eu sempre conversei e ouvi falar sobre depilação como se fosse algo natural da rotina da mulher, até que comecei a prestar atenção aos filmes de época. Como elas estavam sempre impecavelmente maquiadas e depiladas naquele tempo?

Reprodução/Tumblr a-movie-dream
Reprodução/Tumblr a-movie-dream

Maria Antonieta, sem pelos e com MUITA maquiagem no Século XVIII

Reprodução/Tumblr nitratediva
Reprodução/Tumblr nitratediva

E Cleópatra, então, que viveu em 69 a.C.! Ela devia usar ~cera egípcia~

A partir desses questionamentos, começaram a surgir outras perguntas e uma delas foi: por que eu tenho aversão a algo que é natural não só do meu corpo, mas da maioria dos seres humanos? Então eu tentava ficar sem me depilar e três dias depois já estava arrependida da decisão. Não que eu me depilasse a cada três dias (geralmente era uma vez por semana, com exceção das pernas que variam de 15 dias a 1 mês), mas a ideia de não eliminar os pelos me deixava nervosa. Afinal, já era um hábito.

Deixei esse pensamento de lado até uma reunião de pauta aqui do M/Trends. Sugeri a pauta sem uma data específica (isso foi em fevereiro desse ano) porque sabia dessa minha aversão a ideia de não me depilar. Nas outras mulheres eu achava linda a atitude, a postura de realmente não ligar para o que os outros pensam e se amar acima do que te dizem/ensinam que é bonito ou feio. Só que eu não conseguia aplicar isso na minha vida…

View this post on Instagram

Kukkaseppele mummolassa #summer #hippie #flowerpower #freethepit #noshavenoshame #mäfeministinä

A post shared by Laura (@laurajoopa) on

Olha essa mina! 

Foto/Juliana Mavalli
Foto/Juliana Mavalli

Continua após a publicidade
Meus pelos das pernas são bem fininhos e clarinhos, mas já estão aí há 3 meses.

Pensei em ir deixando os pelos das pernas crescerem, pois o verão estava acabando, meus pelos são finos, eu uso muita calça… e enfim. Esse processo realmente foi ok (os dedos dos pés peludos foram mais difíceis de lidar, mas eu tentava não olhar muito). Com as axilas a história foi outra. Por diversas vezes, quando eu chegava no marco de 15 dias, raspava tudo. Uma vez inclusive – e essa foi decisiva para que eu levasse a experiência até o fim -, eu tive um surto de como estava horrível sem me depilar e que ninguém ia me achar bonita se eu estivesse com pelos na axila.

Depois que eu me acalmei eu pensei: Epa, tem algo errado aí! Eu me achava super desconstruída e ok com o meu corpo. Por que, então, eu estava surtando com o fato das pessoas não me acharem bonita? Foi aí que decidi levar isso de forma silenciosa, sem contar para ninguém – nem para o meu companheiro, com quem eu moro junto! Quando eu já estava na terceira semana, feliz e até fazendo carinho nos pelos diariamente, meu namorado pergunta: “Você não vai mais se depilar?”

Foto/Juliana Mavalli
Foto/Juliana Mavalli

Nesse momento a coisa ficou séria. Porque eu tomei um pouco como ofensa. Não “eu”, exatamente, mas a parte de mim que precisava da aprovação dos outros, do meu namorado, para me sentir bonita. Quando eu já ia começar a surtar – e estava em um conflito interno entre me depilar ou não -, ele falou que tinha sido só uma pergunta, que ele achava muita atitude, mas não entendia muito. Então nós tivemos um diálogo muito bonito e construtivo como é ok para a sociedade ele ter pelos e eu não. Como ele vai continuar sendo considerado bonito e eu não.

E foi esse diálogo que reforçou para mim que, se alguém tem que me achar bonita, esse alguém sou eu mesma. É claro que é maravilhoso que seu/sua namorado(a) te ache bonita, mas é ZILHÕES de vezes mais importante que você se ame. Acredite: não existe nada de errado em amor próprio.

Na reta final, ainda tive a notícia da atriz Sheron Menezzes sem se depilar para o papel na novela Liberdade, Liberdade e pensei: uau, finalmente estamos sendo mais realistas ao fazer produções de época.

Foto/Juliana Mavalli
Foto/Juliana Mavalli

Diva dos pelinhos heart

Tá, mas e quando acabou, você se depilou? Não se depilou? Nunca mais vai depilar?

Não vou ser hipócrita. Quando completei uma mês e uma semana peluda, passei a lâmina em tudo. A sensação de estar sem pelos foi estranha (eu realmente gostava de fazer carinho neles), mas foi ok. Acredito que o aprendizado de amor próprio foi maravilhoso para mim e se antes eu ficava apavorada com a ideia de sair com uma blusa de alcinha ou short sem estar depilada, hoje isso não existe mais.

Mas uma coisa é certa: logo mais vou deixar crescer novamente, por um tempo maior e, de quebra, ainda colorir os pelos assim

https://www.instagram.com/p/1ljk_aqBew/

Continua após a publicidade
Publicidade