Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Críticas à violência marcam 1ª noite de desfiles no Rio

Hoje (24), seis escolas entram na Sapucaí para a última noite de desfiles

Por Da Redação - 24 fev 2020, 16h17

O primeiro dia de desfiles do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro foi marcado por enredos repletos de críticas sociais e referências religiosas. Estácio de Sá, Viradouro, Mangueira, Paraíso do Tuiuti, Grande Rio, União da Ilha e Portela levantaram o público em uma noite especial na Sapucaí.

Estácio de Sá

Depois de quatro anos, a Estácio de Sá voltou a desfilar pelo Grupo Especial. A escola levou para a avenida o papel das pedras preciosas na história da humanidade. Em busca de seu segundo título, a Estácio contratou a experiente carnavalesca Rosa Magalhães para tentar chegar ao pódio. Fazendo duras críticas à exploração de minérios, a escola desfilou com 3200 integrantes.

Reprodução/Getty Images

Viradouro

Segunda escola a pisar na Sapucaí, a Viradouro trouxe para o Carnaval 2020 o enredo “Viradouro de Alma Lavada”, contando a história das Ganhadeiras da Lagoa do Abaeté, mulheres lavadeiras que por gerações ganharam a vida com seu trabalho à margem da lagoa. O destaque da apresentação foi a atleta da seleção brasileira de nado sincronizado Anna Giulia Veloso, que, vestida de sereia, dava mergulhos de até um minuto em um aquário com 7 mil litros de água.

Apesar da beleza do desfile, a escola teve um problema com o último carro alegórico e as luzes de alguns refletores falharam.

Reprodução/Getty Images

Mangueira

Campeã do Carnaval 2019, a Estação Primeira de Mangueira levou para a avenida o samba-enredo “A Verdade Vos Fará Livre”, fazendo uma releitura crítica da história de Jesus Cristo. Em busca do bicampeonato, a escola trouxe no carro abre-alas Nelson Sargento, presidente de honra, e a cantora Alcione representando José e Maria. Já a rainha de bateria, Evelyn Bastos, desfilou, sem sambar, interpretando Jesus mulher. Com referências a indígenas e a membros da comunidade LGBT+, a Mangueira ainda colocou na avenida uma estátua gigante de um jovem Jesus negro sacrificado.

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

MA RA VI LHO SA 💚💗 vamos Mangueira! #verdeerosa #mangueira #carnaval2020

A post shared by Maria’s (@mangueiraestacaoprimeira) on

Continua após a publicidade
Reprodução/Getty Images

 

Continua após a publicidade
Reprodução/Getty Images

Paraíso do Tuiuti

Com o enredo “O Santo e o Rei: Encantarias de Sebastião”, a Paraíso de Tuiuti juntou a história do rei português Dom Sebastião com a crença religiosa do padroeiro do Rio de Janeiro, São Sebastião. Enaltecendo a fé, o desfile foi uma forma de chamar à atenção para a situação atual da cidade e pedir mais segurança. Levando lendas brasileiras e portuguesas para a Sapucaí, a escola elegeu a apresentadora Lívia Andrade como madrinha de bateria.

Reprodução/Getty Images

View this post on Instagram

SASENHORA! Essa foi minha estréia como Rainha de Bateria do grupo especial no RJ e foi no @paraisodotuiutioficial . Não deu tempo de fazer fotos e nem vídeos para esse momento. Mandem fotos kkk Especial mesmo foi o que eu senti, isso vai ficar registrado no meu coração, obrigada comunidade e mestre @pereiraricardinho . Juntos sempre, meu Carnaval foi feito por pessoas incríveis, obrigada @edu_sacchiero @cintiarocharp @agencia.aventureiros @atelierleandrodejesus @drgabrielalmeida @clinicakati@gallan @dandarahlanzine 💛💙🥁👣👑 @gallant_h #rainhadebateria #carnaval2020 #carnaval #carnavrauuu #tuiuti #bateriasupersom

A post shared by Lívia Andrade (@liviaandradereal) on

Continua após a publicidade

Grande Rio

Quinta escola a pisar na avenida, Grande Rio contou a história do pai de santo Joãozinho da Gomeia, retratando-o como líder religioso negro, nordestino e homossexual. Com um desfile marcado pelas cores, a escola conseguiu ‘levantar o público’ com as interrupções da bateria que abriam alas para que a plateia cantasse o refrão. Outro destaque da escola foi o retorno de Paolla Oliveira como rainha de bateria. Fantasiada de Cleópatra, fazia dez anos que a atriz não desfilava no Carnaval do Rio de Janeiro.

A Grande Rio teve problemas logo com o seu primeiro carro, provocando atrasos e correria nas outras alas.

Reprodução/Getty Images

União da Ilha

Com uma temática realista, a União da Ilha levou para a avenida a dura realidade das favelas do Rio. Referências a armas, pessoas passando fome, desempregados e moradores de rua permearam o desfile. Mas a escola também levou alegria ao falar da cultura do funk e do próprio carnaval. Como rainha de bateria, Gracyanne Barbosa representou um pedido de paz. Com problemas no terceiro carro alegórico, o desfile ultrapassou um minuto além do limite.

View this post on Instagram

"A nossa riqueza e ser feliz Por todos os cantos do país Na paz da criança, o amor da mulher De gente humilde que pede com fé" | União da Ilha 2020 | • 📷 Marcelo Brandt #Carnaval2020 #Carnaval #CarnavalRJ #UniaoDaIlha #IlhaDoGovernador #Rua #RainhaDeBateria #GracyanneBarbosa #Sambodromo #Sapucai #RioDeJaneiro #ErreJota #CidadeMaravilhosa #Rio #Bomdia #GoodMorning #Fit #Gym #Fitness

Continua após a publicidade

A post shared by Meu Mundo Sambista (@instasambista) on

Continua após a publicidade

Portela

Maior campeã do Carnaval do Rio, a Portela entrou na avenida com o enredo “Guajupiá, terra sem males”, retratando as belezas do Rio de Janeiro antes da colonização. Em busca da sua 23ª vitória, a escola animou o público com fantasias em tons vibrantes.

Reprodução/Getty Images

Nesta segunda-feira, São Clemente, Vila Isabel, Salgueiro, Unidos da Tijuca, Mocidade e Beija-Flor entram na avenida para a segunda e última noite de desfiles do grupo especial.

#claudiaonline no #camarotearpoadoroficial

Publicidade