Cresce apoio à descriminalização do aborto, diz Datafolha

Brasileiros jovens, com mais acesso à educação e com renda familiar elevada são os que mais defendem que interromper uma gravidez deixe de ser crime

Uma pesquisa do instituto Datafolha, divulgada no último sábado (30), mostra que chama a atenção pelo aumento na taxa de pessoa favoráveis à descriminalização do aborto: 36% dos brasileiros apoiam que  a prática deixe de ser crime, frente aos 23% de pesquisa feita no ano passado.

O apoio à descriminalização do aborto é maior entre a camada mais jovem, escolarizada e com renda familiar elevada.

Leia mais: Debora Diniz: “É preciso tirar o aborto do Código Penal”

Brasileiros entre 16 e 24 correspondem a 44% dos entrevistados que defendem que mulheres não deve ir para a cadeia por abortar. A taxa cai para 30% quando a afirmação é feita entre pessoa de 45 a 59 anos.

Em relação à escolaridade, para 34% das pessoas com ensino superior, a mulher deve responder criminalmente por ter feito um aborto. A taxa salta para 71% entre os brasileiros com ensino fundamental.

Entre os brasileiros com renda familiar mensal superior a dez salários mínimos, 70% apoiam que o aborto deve ser descriminalizado. Entre os que ganham até dois salários mínimos, a taxa é de 26%.

Leia mais: Drauzio Varella: “Aborto já é livre no Brasil. Proibir é punir quem não tem dinheiro”

Apesar do relativo apoio à descriminalização do aborto, a prática ainda como passível de punição pela maioria dos brasileiros. 57% da população nacional acredita que a mulher deve ser punida e ir para a cadeia por interromper uma gravidez.

As opiniões variam entre os gêneros: 58% dos homens são favoráveis à punição e 56% da mulheres apoiam penas à prática. Porém, como a margem de erro da pequisa varia dois pontos percentuais para cima ou para baixo, o Datafolha considera um empate.

O levantamento do Datafolha foi realizado em 192 municípios do país, nos dias 29 e 30 de novembro.

Leia mais: Aborto: o que podemos aprender com a descriminalização no Uruguai